Quantcast

About Meditation? Alguma coisa mais eu deveria saber sobre meditação?

Alguma coisa mais eu deveria saber sobre meditação?

<< Back

Comentário Editorial



Tédio, Êxtase e Melancolia

Uma vez permitido expressar os negativismos fica mais fácil observá-los quando estes reaparecem na superfície de vez em quando. Você aliviou a pressão, assim estes não terão um grande domínio sobre você. Tédio é outro sentimento que ocorre comumente. Basta reconhecê-lo como um sintoma da mente e também outro humor passageiro a ser observado, sem ficar envolvido nisso, sem agir sobre isso.

Todos gostaríamos de poder ficar separado de nosso sofrimento, de nossa mágoa, e de nosso tédio, mas não dos bons momentos, das experiências amorosas. Contudo, o segredo de aprender a arte da observação desapegada é começar praticando com sentimentos positivos. Uma vez dominado isso, fica mais fácil não ser arrastado pelo negativo. Lembre-se, todas as experiências são da mente – e o caminho fica bem além dos limites da minúscula mente.

Não Empurrando...

Os velhos hábitos da mente podem fazerem-se sentir mesmo quando você está meditando. Por exemplo, você pode começar a competir com você mesmo – instigando a si mesmo a ir além de seus limites, mesmo que seu corpo esteja sofrendo dor. [É claro que a mente também pode tentar e sabotar sua intenção de meditar lhe dizendo que você atingiu seu limite antes que você mal tenha começado!]

…Ainda indo para isso

Se houver uma chave mestra para garantir sucesso na sua prática meditativa essa é totalidade ou entusiasmo. Por exemplo, quando você estiver dançando na meditação Osho Nataraj, realmente dance – não somente indo através dos movimentos com sua mente engajada em alguma outra coisa completamente diferente, tal como o que você vai fazer depois, ou ficar ruminando sobre uma conversa que você teve ontem. Esteja presente, em cada nível de seu ser.

Siga as instruções do método dado, mas então avalie por si mesmo, por harmonizar-se com seu corpo e ficar em contato consigo mesmo, o quanto empenhar-se.
Há uma linha delgada entre totalidade e super-entusiasmo ao ponto de causar a si mesmo dano físico. Aos poucos seu nível de percepção e sensitividade será elevado, e agirá como barômetros confiáveis. Ao mesmo tempo o hábito de sua mente intrometida começará afrouxar suas garras sobre você.

Esta é uma introdução de Osho a meditação como um caminho de vida em vez de um método de abordagem única:

Meu único trabalho é de lhes dar uma idéia clara de como você pode ficar mais consciente; chamo-o de meditação – trabalhando, caminhando, sentado.

Eu não acredito no que os outros chamam de meditação, que por dez ou vinte minutos você faz isso e depois ser seu eu comum por vinte e quatro horas e de novo meditar por vinte minutos. Isto é estúpido. Isso é como dizer para uma pessoa todo dia pela manhã para ela respirar por vinte minutos e depois esquecer disso, pois você tem que fazer muitas outras coisas. Então na próxima manhã você pode respirar por vinte minutos novamente. Para mim, meditação é exatamente como a respiração. Portanto, o que quer que você esteja fazendo e onde quer que esteja, faça isso mais conscientemente.

Por exemplo, posso erguer essa mão sem nenhuma consciência, apenas inconscientemente, do hábito. Mas você pode levantar sua mão com completa consciência, e você pode ver a diferença entre os dois. O ato é o mesmo: um é mecânico, o outro é pleno de percepção, e a qualidade é imensamente diferente. Tente isso, pois é uma questão de prova e experiência. Caminhando, basta tentar por alguns minutos andar conscientemente. Esteja alerta em cada passo, e você ficará surpreso que a qualidade de seu caminhar é totalmente diferente, é relaxada. Não há nenhuma tensão e há uma alegria sutil que surge do seu caminhar relaxado. Quanto mais cônscio dessa alegria, mais desperto você gostaria de ficar.

Comendo, coma com perceptividade. As pessoas ficam simplesmente jogando comida na boca delas, nem mesmo mastigando-a, apenas engolindo. Pessoas sofrendo de obesidade, gordura, não podem resistir de comer cada vez mais. Nenhum doutor poderá ajudá-las, a menos que fiquem conscientes enquanto comem. Se ficarem conscientes, algumas coisas acontecem como um sub-produto da consciência. O comer deles diminuirá. Eles começarão a mastigar, pois a menos que mastigue sua comida estará colocando um peso desnecessário em todo o seu sistema. Seu estômago não possui dentes. Deve-se mastigar cada mordida exatamente quarenta e duas vezes; assim tudo que você come torna-se líquido.

Um homem de consciência apenas bebe, porque antes de engolir ele mudou o alimento sólido para líquido. E a coisa estranha é que quando você mastiga quarenta e duas vezes você desfruta muito mais do sabor. Uma mordida de um homem inconsciente dá quarenta e duas vezes mais sabor ao homem consciente. È uma aritmética simples: o homem inconsciente terá que comer quarenta e duas mordidas apenas para ter o mesmo sabor, depois ele engorda e ainda fica insatisfeito. Ele ainda sente vontade de comer mais. O homem consciente só come a quantidade que seu corpo necessita. Ele sente imediatamente que agora não há mais necessidade; a fome passou, ele está satisfeito... nada fazendo.

Minha meditação é um tipo de abordagem totalmente diferente. Esta tem que se espalhar por todas suas vinte e quatro horas. Mesmo adormecendo, permaneça alerta de como o sono vai descendo sobre você, tão lentamente, tão silenciosamente, mas você pode ouvir os passos. A escuridão vai aumentando, você vai relaxando – você pode sentir os músculos, o corpo, as partes tensas que estão impedindo o sono – e logo verá que seu corpo inteiro relaxou e adormeceu. Porém, lentamente, aos poucos uma grande revolução acontece. O sono chega até você, mas alguma coisa bem lá no fundo de você permanece desperto, mesmo no sono.

A situação é: você está dormindo mesmo quando pensa que está acordado, e estou desperto mesmo quando penso que estou adormecido. A menos que um homem torne-se cônscio em seu sono ele não está consciente, não está desperto. Este é o critério.
Existem tantos sub-produtos pelos quais você pode julgar. Sonhos desaparecem, pois sonhos necessitam que você esteja completamente inconsciente; eles provêm da mente inconsciente. Mas se você estiver consciente estes não podem vir.

Sigmund Freud teria sido imensamente valorizado se ele tivesse encontrado um homem como eu que não tem sonhos. Ele também ficaria perplexo e teria que mudar toda sua idéia de psicanálise. Mas ele só encontrou pessoas adormecidas. Ele mesmo era um adormecido – não tinha idéia de nenhum despertar espiritual; do contrário ele certamente teria conhecido de que existe um espaço quando o homem está cônscio, apenas cônscio, e não há sonhos de jeito nenhum.

Se sonhos desaparecem na noite, uma segunda coisa irá acontecer a você: pensamentos irão desaparecer durante o dia. Isso não quer dizer que você será incapaz de pensar; isso significa simplesmente que você não vai ficar pensando mecanicamente, desnecessariamente. Você será capaz de pensar, se quiser pensar, do contrário você estará silencioso. E um homem que pode permanecer em silêncio por horas seguidas acumula energia para quando ele quiser pensar, este pensar tenha algum vigor, algum poder, uma tremenda energia. O pensar das pessoas comuns é apenas impotente, seus pensamentos são vagabundos... nuvens flutuando na mente.

Um homem de meditação descobrirá que os sonhos desaparecem e então o sono é incomparavelmente belo. Desse modo o sono torna-se espiritual. Transformar sono em espiritualidade é religião. Dessa forma seu dia inteiro se torna um dia de silêncio. Você irá falar, mas algo bem fundo em você permanecerá uma testemunha silenciosa. Portanto, você não dirá coisas que desnecessariamente irão criar problemas para você e para os outros. Você só dirá aquilo que for absolutamente necessário. Irá dizer somente a verdade; outrossim você será bastante capaz de dizer: “Eu não sei”. Você não acreditará em coisa alguma. Você saberá disso ou não saberá.

Crença é uma enganação: você não sabe, então você finge saber. Todas essas pessoas nos templos, nas igrejas, nas sinagogas, o que eles estão fazendo? Para quem estão orando? Eles não conhecem Deus. Seus sacerdotes não conhecem Deus. Não sabem que nenhuma oração jamais foi ouvida por alguém. Não sabem que nenhuma oração jamais foi respondida por alguém. Ainda assim, estão rezando para deus...

Religião é um fenômeno bem simples. Teologia nada tem a ver com religião. Esta torna as coisas desnecessariamente complexas. Religião é uma simples perceptividade do que quer que você esteja fazendo, onde quer que esteja. E quando esta percepção lhe circunda como uma aura luminosa, você se torna cônscio do universo pela primeira vez - suas belezas, suas músicas, sua canção eterna. E para mim, esta é a experiência religiosa. Na experiência religiosa você não encontra um deus. Não há ninguém ali, somente esta existência pura. Mas ela é toda viva – estas flores, estes pássaros nas asas, estas estrelas – tudo está vivo, mas porque você está adormecido não pode experienciar a vivacidade que lhe cerca.

E não somos ilhas. Nenhum homem é uma ilha. Somos parte de todo esse viver, desse continente infinito. Estas flores são parte de nós assim como somos parte delas. Aquelas estrelas distantes estão dentro de nós assim como estamos dentro do universo. Essa experiência de unidade, de unicidade, é liberação.

Portanto meu ensinamento é muito simples: meditação é a chave, ficar totalmente cônscio é o resultado. Experienciar unicidade com o todo é a recompensa.

Esta é minha trindade: meditação, consciência, unicidade.


Osho: Last Testament, Vol 2, Chapter 7

<< Back