Quantcast

About Meditation? O que é a sabedoria do coração?

O que é a sabedoria do coração?

<< Back

O senso comum carrega fragmentos de conhecimento. Este sabe que as pessoas compassivas, pessoas do coração, têm uma certa sabedoria que não é conhecimento, um certo insight, uma certa perceptividade que não pode ser ensinada. Elas podem ver coisas, sentir coisas. Elas são sensíveis às coisas que não estão disponíveis para a mente. Desse modo as pessoas começam a pensar que há possibilidades do coração ter sabedoria.

Mas não sabem que o coração é sua vacuidade. E dessa vacuidade surge uma claridade, uma transparência a qual pode ver coisas que você não pode deduzir intelectualmente. Isto é sabedoria.

Para fazer isso completo, tem que ser dito: “a sabedoria do coração vazio”. O coração, como os psicólogos sabem disso, é somente um sistema de bombeamento de sangue. Das batidas de seu coração nenhuma sabedoria pode surgir. Você alguma vez já sentiu alguma sabedoria surgir das suas batidas do coração? Algum doutor já ouviu alguma sabedoria enquanto checando suas batidas do coração com o estetoscópio? Esse coração não é o que queremos dizer quando falamos sobre a vacuidade do coração. Realmente, estamos falando sobre jogar fora todo o conteúdo da mente. Então, a própria não-mente se torna seu coração. Não é uma coisa psicológica. É a sua não-mente – sem preconceito, sem conhecimento, sem conteúdo. Apenas pureza, simples silêncio, e a não-mente pode ser chamada de coração vazio. É somente uma questão de expressão. O que você quer escolher, você pode escolher: a sabedoria do coração vazio, ou a sabedoria da não-mente – estas são equivalentes.

Quando você está em profunda meditação, sente uma grande serenidade, uma alegria desconhecida para você, uma vigilância que é um novo hóspede. Logo essa vigilância tornar-se-á o anfitrião, permanece vinte e quatro horas com você. E a partir dessa vigilância, o que quer que você faça tem uma sabedoria nela. O que quer que você faça mostra uma clareza, uma pureza, uma espontaneidade, uma graça.


Osho: The Buddha: The Emptiness of the Heart, Chapter 2

<< Back