Quantcast

Osho Osho On Topics George Gurdjieff

George Gurdjieff

Gurdjieff disse: "Você não é nada, apenas o corpo, e quando o corpo morre, você vai morrer também. Só de vez em quando é que uma pessoa sobrevive – só aquele que criou a alma em sua vida sobrevive à morte – não todos. Um Buda sobrevive; um Jesus sobrevive, mas você não! Você simplesmente vai morrer, nem mesmo um traço seu será restará ".

O que Gurdjieff está tentando dizer? Ele estava provocando um choque em suas próprias raízes, ele estava tentando tirar todo o seu consolo e suas teorias tolas que lhe  fazem adiar o trabalho sobre si mesmo. Agora, dizer às pessoas: "Você não tem alma, você é como um legume, apenas um repolho ou talvez uma couve-flor – uma couve-flor é um legume com uma educação universitária – Mas nada mais do que isso.  Ele era realmente um mestre por excelência. Ele estava tirando o próprio chão de debaixo dos seus pés. Ele estava lhe dando um choque tão grande que você era obrigado a pensar  sobre toda a situação:  você quer continuar a ser um repolho? Ele estava criando uma situação para você na qual a única saída seria você procurar sua alma, afinal, quem quer morrer?

E a idéia de que a alma é imortal tem ajudado as pessoas a se consolar com o fato de que eles não vão morrer, que a morte é apenas ilusoria, apenas um longo sono, um sono reparador, e você vai nascer de novo. Gurdjieff diz: "Tudo bobagem. Isso tudo é um absurdo! Morto, você está morto para sempre, a menos que você tenha criado uma alma .... "

Agora veja a diferença:  foi lhe dito que você já tem uma alma  e Gurdjieff muda totalmente este conceito. Ele diz: "Você não tem uma alma, mas apenas uma chance de te-la.  Você pode usá-la, ou você pode perdê-la".

E eu gostaria de dizer-lhe que Gurdjieff estava apenas usando um dispositivo. Não é verdade. Todo mundo nasce com uma alma. Mas o que fazer com as pessoas que têm utilizado consolações como verdades? Um grande mestre às vezes tem que mentir – e só um grande mestre tem o direito de mentir – apenas para retirá-lo do seu sono diário.

Osho, The Dhammapada: The Way of the Buddha, Vol. 2. Talk #2

 

 
Gurdjieff tem sido muito criticado, porque ele era um mentiroso – e a mentira veio dos Sufis, ele era um sufi. Ele foi educado em mosteiros e escolas  dos sufistas. Na verdade, ele introduziu no Ocidente o Sufismo através de uma versão totalmente nova. No entanto, era impossível para a mente cristã ordinária entendê-lo, porque a verdade é um valor moral, e ninguém pensaria que um mestre, um mestre iluminado, poderia mentir.

Você pode pensar em Jesus mentindo? E eu sei que ele mentiu – mas os cristãos não acreditam nisso. Jesus mentindo? Não, ele é o homem mais verdadeiro e confiável do mundo.  Mas, então, você não sabe.  A questão do conhecimento é muito, muito perigosa. Ele mentiu sobre muitas coisas – um mestre tem que faze-lo, se quizer ajudar. Caso contrário, ele pode ser um santo, mas não poderá ajudar ninguém. E sem poder ajudar, um santo  está morto. Se um santo não pode ajudar, qual é a sua utilidade em estar aqui, estar presente? Não há nenhuma razão para isso. Tudo o que ele pode alcançar na vida, ele atingiu. Estar aqui para ajudar é o que lhe resta.

Gurdjieff foi muito criticado porque o Ocidente não podia entendê-lo, a mente cristã ordinária não conseguia entender. Portanto, há duas versões sobre Gurdjieff no Ocidente. Pensa-se que ele era um homem muito travesso –não  um sábio que sabe tudo tudo, apenas um diabo encarnado. Outra é que ele foi o maior santo que o Ocidente conheceu nestes últimos séculos. Ambas são verdadeiras, porque ele estava apenas no meio. Ele era uma personalidade “pop”. Você não pode dizer que sim, você não pode dizer não a seu respeito. Você pode dizer que ele era um santo pecador, ou um pecador santo. Mas você não pode divergir, você não pode ser tão simplista sobre ele. O conhecimento que ele tinha era muito complexo.

Osho, Journey to the Heart, Talk # 7
 

 
Gurdjieff diz: Siga em frente lembrando-se do observador – a lembrança de si (self-remembering). Buda diz: Esqueça o observador apenas assista o observado. Se você tiver que escolher entre Buda e Gurdjieff sugiro a escolha de Buda. Há um perigo com Gurdjieff no qual você pode tornar-se demasiado auto – consciente – em vez de se tornar auto-alerta, desperto, você pode tornar-se consciente de si mesmo, e então você pode se tornar um egoísta. Eu senti  que, muitos discípulos de Gurdjieff  tornaram-se muito, muito grandes egoístas. Não que Gurdjieff fosse um egoísta – ele foi um dos raros homens iluminados deste tempo, mas o método tem um perigo em si, é muito difícil fazer uma distinção entre a auto- consciência e lembrança de si. É tão sutil que é quase impossível fazer a distinção, pois as massas ignorantes são quase sempre tomadas  pela auto- consciência,  não será a lembrança de si.

A própria palavra "eu"(self) é perigosa – você se torna mais e mais apegado na idéia do self. E essa idéia pode isolá-lo de existência.

Buda diz para esquecer a si mesmo, porque não há um eu, o eu está  apenas na teoria, na linguagem – não é nada existencial. Você observa só o conteúdo. Ao observar o conteúdo, o conteúdo começa a desaparecer. Uma vez que o conteúdo desaparece, cuidado com a raiva – e ao ve-la, você vai perceber  que está  desaparecendo – uma vez que a raiva desapareceu há silêncio – Não há um eu, nenhum observador, e nada deve ser observado, só resta o silêncio. E este silêncio é trazido por Vipassana, o método de consciência de Buda.

Osho, This Very Body the Buddha, Talk #4

 

Uma mulher de idade ficou muito impressionada com Ouspensky  e, em seguida,  foi ver Gurdjieff. Em apenas uma semana ela estava de volta e disse a Ouspensky: "Eu posso sentir que Gurdjieff é poderoso, mas eu não estou certo se ele é bom ou ruim, se ele é mau, diabólico, ou um santo. Eu não tenho certeza. Ele é grande - isso é certo. Mas ele pode ser um grande demônio, ou um grande santo – o  que não tenho certeza " Gurdjieff se comportava de uma maneira que criava essa impressão.

Alan Watts escreveu sobre Gurdjieff e o chamou um santo malandro - porque às vezes ele se comportaria como um patife, mas era tudo encenação e era intencional para evitar aqueles que tomavam o seu tempo e energia. Assim fazia para enviar a volta daqueles que só poderiam trabalhar quando estivessem protos. Somente  seriam permitidos os que poderiam trabalhar  mesmo não tendo certeza s sobre o mestre, mas que estavam certos sobre si mesmos.

E render-se a um Gurdjieff irá transformá-lo mais do que render-se a Ramana Maharshi, porque Ramana Maharshi é tão santo, tão simples, que a rendição não significa nada. Você não pode fazer o contrário. Ele é tão aberto – como uma criança pequena - tão pura, que a entrega vai acontecer. Mas que a entrega está acontecendo por causa de Ramana Maharshi, não por causa de você. Não é nada, na medida em que você está preocupado. Se rendição acontece com Gurdjieff, aconteceu por causa de vocês, porque Gurdjieff de forma vai apoiá-lo. Ao contrário, ele irá criar todos os tipos de obstáculos. Se ainda assim você se render, é o que vai transformar você. Portanto, não há necessidade de ter uma certeza absoluta sobre ele – e isso é impossível – mas você tem que ter certeza sobre si mesmo.

Osho, Vedanta: Seven Steps to Samadhi, Talk #5