Quantcast

OSHO Times Body Dharma Sendo Vegetariano

Sendo Vegetariano

Sendo Vegetariano

O homem, naturalmente, deve ser vegetariano, porque o corpo dele todo é feito para a comida vegetariana. Até mesmo os cientistas concordam com o fato de que toda a estrutura do corpo humano mostra que o homem deve ser vegetariano. O homem vem dos macacos. Macacos são vegetarianos, absolutamente vegetarianos. Se Darwin for verdadeiro, então o homem deve ser um vegetariano.

Agora existem maneiras de julgar se uma certa espécie de animal é vegetariana ou não: isso depende dos intestinos, o comprimento dos intestinos. Os animais não vegetarianos possuem intestinos muito pequenos. Tigres, leões – eles possuem intestinos muito curtos, porque a carne já é uma comida digerida. Ela não precisa de intestinos longos para digeri-la. O trabalho da digestão foi feito pelo animal. Agora você está comendo a carne do animal. Ela já está digerida – nenhum intestino longo é necessário. O homem possui um dos intestinos mais longos: isso significa que o homem é vegetariano. Uma digestão longa é necessária, e muitas fezes estarão lá que precisam ser expelidas.

Se o homem não for um vegetariano e ele continuar comendo carne, o corpo fica sobrecarregado. No Oriente, todos os grandes meditadores – Buda, Mahavira – enfatizaram o fato. Não por causa de algum conceito de não-violência – isso é uma coisa secundária – mas porque se você realmente quer se aprofundar na meditação seu corpo precisa estar leve, natural, fluindo. Seu corpo precisa estar descarregado; e o corpo de um não-vegetariano está muito carregado.

Apenas observe o que acontece quando você come carne: quando você mata um animal, o que acontece ao animal quando ele é morto? É claro, ninguém quer ser morto. A vida deseja prolongar a si mesma; o animal não está morrendo de boa vontade. Se alguém lhe mata, você não irá morrer de boa vontade. Se um leão pula sobre você e lhe mata, o que acontecerá a sua mente? O mesmo acontece quando você mata um leão. Agonia, medo, morte, angústia, ansiedade, raiva, violência, tristeza – todas essas coisas acontecem com o animal. Por todo o corpo dele se espalha violência, angústia, agonia. O corpo todo fica cheio de toxinas, venenos. Todas as glândulas liberam venenos porque o animal está morrendo muito relutantemente. E depois, você come a carne; essa carne carrega todos os venenos que o animal liberou. Toda a energia está envenenada. Assim esses venenos são levados para o seu corpo.

Essa carne que você está comendo pertencia ao corpo do animal. Ela tinha um propósito especifico nele. Um tipo especifico de consciência existia no corpo do animal. Você está num plano mais elevado do que a consciência do animal e quando você come a carne dele seu corpo vai para um plano mais baixo, para o plano mais baixo do animal. Dessa forma existe um intervalo entre sua consciência e seu corpo, e assim uma tensão e uma ansiedade surgem.

A pessoa deve comer coisas que sejam naturais, naturais para ela. Frutas, amêndoas, vegetais – coma tanto quanto puder. O bom é que você não pode comer essas coisas mais do que o necessário. Tudo que é natural sempre lhe dá uma satisfação porque sacia seu corpo, lhe satura. Você se sente preenchido. Se alguma coisa for não natural, isso nunca lhe dá um sentimento de preenchimento. Continue tomando sorvete: você nunca irá sentir que você está saciado. Na verdade, quanto mais você ingere, mais vontade você sente de comer. Não é um alimento. Sua mente está sendo trapaceada. Agora você não está comendo de acordo com as necessidades do corpo; você está comendo somente para saboreá-lo. A língua tornou-se a controladora.
A lingua não deve ser a controladora. Ela não sabe nada a respeito do estômago. Ela não sabe de nada a respeito do corpo. A língua tem um propósito especifico para realizar: saborear o alimento. Naturalmente, a língua precisa julgar, essa é a única coisa, qual alimento é para o corpo, para o meu corpo e qual alimento não é para o meu corpo. Ela é somente um vigia na entrada, ela não é a mestra e se o vigia da entrada se torna o mestre, assim a confusão se estabelece.

Agora os anunciantes sabem muito bem que a língua pode ser enganada, as narinas podem ser enganadas. E elas não são mestras. Você pode não estar cônscio: muita pesquisa sobre alimentação continua sendo feita no mundo e essas pesquisas revelam que se o seu nariz for completamente fechado, e seus olhos forem fechados e depois lhe for dado uma cebola para você comer, você não poderá dizer o que você está comendo. Você não poderá distinguir uma cebola de uma maçã se o seu nariz for completamente fechado, devido a que metade do sabor procede do cheiro, é decidido pelo nariz e a outra metade é decidido pela língua. Esses dois tornaram-se os controladores. Agora eles sabem: se o sorvete é nutritivo ou não, isso não é importante. Ele pode carregar um sabor, ele pode carregar alguma química que preenche a língua, mas que não é necessário para o corpo.

O homem está confuso, mais confuso do que os búfalos. Você não pode convencer os búfalos a tomar sorvete. Tente!

Uma comida natural - e quando digo natural, quero dizer aquilo que seu corpo necessita. A necessidade de um tigre é diferente; ele precisa ser muito violento. Se você comer a carne de um tigre você ficará violento, mas aonde sua violência será expressa? Você tem que viver numa sociedade humana, não numa selva. Assim você terá que reprimir a violência. Então começa um ciclo vicioso.

Quando você reprime a violência, o que acontece? Quando você se sente zangado, violento, uma certa energia venenosa é liberada porque o veneno cria uma situação onde você pode ser realmente violento e matar alguém. A energia se move para suas mãos; a energia se move para os seus dentes. Esses são os dois lugares de onde procede a violência dos animais. O homem é parte do reino animal.
Quando você está zangado, uma energia é liberada – ela vai para as mãos e para os dentes, para as mandíbulas – mas você vive numa sociedade humana e nem sempre é vantajoso ficar zangado. Você vive num mundo civilizado e você não pode se comportar como um animal. Se você se comportar como um animal, você irá pagar caro por isso – e você não está preparado para pagar tanto. Então o que fazer? Você reprime a raiva na mão; você reprime a raiva nos seus dentes – você continua sorrindo um sorriso falso e seus dentes prosseguem acumulando raiva.

Raramente tenho visto pessoas com uma mandíbula natural. Não é natural – bloqueada, rígida – porque acumulou raiva demais. Se você pressionar a mandíbula de uma pessoa, a raiva pode ser liberada. As mãos ficam feias. Elas perdem a graça, perdem a flexibilidade, devido a que muita raiva está reprimida nelas. As pessoas que estiveram trabalhando com profundas massagens, descobriram que quando você toca as mãos profundamente, massageia as mãos, a pessoa começa a ficar com raiva. Não há nenhuma razão. Você está massageando a pessoa, e de repente ela começa a ficar zangada. Se você pressionar a mandíbula, a pessoa começa a ficar zangada novamente. Elas carregam a raiva acumulada. Essas são as impurezas no corpo: elas precisam ser liberadas. Se você não liberá-las, então o corpo permanecerá pesado.

 

 

Osho, The Essence of Yoga, Discurdo #5

Para continuar lendo em inglês, click aqui.