Quantcast

OSHO Times Body Dharma Massagem é a Mensagem

Massagem é a Mensagem

Estive trabalhando como diplomata, mas achando que posso estudar algo como massagem porque gosto de trabalhar com minhas mãos e sei que é um trabalho onde a gente pode ficar aberto e receptivo.

É muito bom. Fazer alguma coisa com as mãos é sempre bom.

Melhor que ficar na cabeça, é sempre bom estar nas mãos.

Isso lhe fará mais centrado. A massagem é perfeitamente boa. É melhor que ser um diplomata! É muito bom esquecer tudo sobre essa bobagem.

Chegue mais para seu corpo. Torne seus sentidos mais vivos. Veja mais amorosamente, deguste mais amorosamente, toque mais amorosamente, cheire mais amorosamente. Deixe seus sentidos funcionarem cada vez mais. Então, repentinamente você irá ver que a energia que estava se movendo demasiadamente na cabeça está agora bem dividida pelo corpo.

A cabeça é muito ditatorial. Ela vai coletando energia de todo lugar e é uma monopolista. Ela matou os sentidos.

A cabeça está levando quase oitenta por cento da energia e somente vinte por cento sobra para o resto do corpo. Naturalmente todo o corpo sofre, e quando todo o corpo sofre, você sofre, porque você só pode ser feliz quando você está funcionando como um todo, como uma unidade orgânica e cada parte de seu corpo e do ser estiver obtendo sua proporção; não mais do que isso, não menos que isso. Assim você funciona em um ritmo. Você possui uma harmonia.

Harmonia, felicidade, saúde; tudo faz parte de um fenômeno e isso é totalidade. Se você for total, você é feliz, saudável, harmonioso.

A cabeça está criando uma perturbação. As pessoas perderam muitas coisas. As pessoas não podem cheirar. Elas perderam a capacidade de cheirar. Elas perderam a capacidade de degustar. Elas só podem ouvir umas poucas coisas. Elas perderam seus ouvidos. As pessoas não sabem o que é realmente tocar. A pele delas tornou-se morta. Ela perdeu a delicadeza e a receptividade. Assim a cabeça desenvolve-se como um Adolf Hitler, esmagando todo o corpo. A cabeça se torna cada vez maior. Isso é muito ridículo.

O homem é quase como uma caricatura; uma cabeça muito grande e apenas pequenos membros dependurados.

Então revitalize seus sentidos. Faça algo com as mãos, com a terra, com as árvores, com as rochas, com corpos, com pessoas.

Faça qualquer coisa que não necessite de muito pensar, de muita intelectualidade.

E divirta-se. Assim sua cabeça irá pouco a pouco ficar descarregada. Isso será bom também para a cabeça, porque quando a cabeça fica sobrecarregada, ela pensa, mas ela não pode pensar. Como pode uma mente preocupada pensar? Para pensar você precisa de claridade. Para pensar você precisa de uma mente não-tensa.

Isso irá parecer um paradoxo, mas para pensar você precisa de uma mente sem pensamentos.

Assim você pode pensar muito facilmente, muito diretamente, intensamente. Apenas coloque qualquer problema diante de você e a sua mente-sem-pensamentos começa a resolvê-lo. Assim você possui intuição. Não é preocupação, apenas insight.

Quando a mente está muito carregada com pensamentos, você pensa demais, mas sem nenhum propósito. Isso não leva a nada; não há nada na cabeça. Você vai devaneando por aí, você faz muito barulho, mas o resultado final é zero. Portanto, não é contra a cabeça dispersar sua energia por todos os sentidos. É a favor deles, porque quando a cabeça está equilibrada, no lugar certo, ela funciona melhor; do contrário ela fica congestionada. É um tráfego tão grande. É quase a hora do ‘rush’; por vinte e quatro horas.

Assim comece a fazer alguma coisa… o que quer que você sinta. Massagem é muito bom. O corpo é bonito... Qualquer coisa para se fazer com o corpo é bonito.
 

Osho, The Passion for the Impossible, Talk #2
(Este título não está mais disponivel sob encomenta)