Quantcast

OSHO Times Body Dharma A ARTE DE COMER

A ARTE DE COMER

Sempre quando você está fazendo alguma coisa com o coração dividido, isso se prolonga.

Se você está sentado na sua mesa comendo, e se você come somente com parte do coração sua fome permanece, desse modo você irá continuar a pensar sobre comida pelo resto do dia. Você pode tentar jejuar, você verá: você irá pensar continuamente em comida. Porém, se você comeu bem – e quando digo comer bem, não quero dizer somente que você encheu seu estômago. Então não é necessariamente assim que você tenha comido bem. Você pode ter se empanturrado. Contudo, comer bem é uma arte. Não é somente encher. É uma grande arte: saborear a comida, cheirar a comida, tocar na comida, mastigar a comida, digerir a comida, e digeri-la como se divina. Ela é divina; é um presente do divino.

Os Hindus dizem, Anam Brahma comida é divina. Assim, você come com grande respeito, e enquanto come você se esquece de tudo, porque isso é uma oração. É uma oração existencial. Você está comendo o divino e o divino lhe dará nutrição. É um presente a ser aceito com um profundo amor e gratidão. E você não enche o corpo, porque encher o corpo é ser anticorpo. É o outro pólo. Existem pessoas que estão obcecadas com o jejum e existem pessoas que estão obcecadas para se encher de comida. Ambas estão erradas porque de ambas as maneiras o corpo perde o equilíbrio.

Um amante do corpo verdadeiro come somente até o ponto onde o corpo se sente perfeitamente quieto, equilibrado, tranqüilo; onde o corpo não se sente inclinado nem para a direita nem para a esquerda, mas bem no meio. É uma arte compreender a linguagem do corpo, entender a linguagem de seu estômago, entender o que é necessário, dar somente o que é necessário, e fazer isso de uma maneira artística, de uma maneira estética.

Os animais comem, o homem come. Então qual é a diferença? O homem faz uma grande experiência estética no comer. Qual o sentido de ter uma bela mesa de jantar? Qual é o sentido de ter velas acesas lá? Qual é o sentido do incenso? Qual o sentido de pedir aos amigos para vir e participar? É para fazer disso uma arte, não somente encher o estômago. Mas esses são sinais externos da arte; os sinais internos são compreender a linguagem de seu corpo: escutá-lo, ser sensível para com as necessidades dele. E assim você come, e então, por todo o dia, você não se lembrará de comida de jeito nenhum. Apenas quando o corpo estiver novamente faminto a lembrança voltará. Assim é natural.
 

Osho, The Beloved, Vol.1, Discurso #4

 

Para continuar lendo,  click aqui.