Quantcast

OSHO Times Body Dharma O Corpo Energético

O Corpo Energético

O Segundo corpo, pranamaya kosha, lhe dá uma liberdade, lhe dá mais espaço. O segundo corpo é maior do que o primeiro; não está confinado ao seu corpo físico. Está dentro do corpo físico e está fora do corpo físico. Ele lhe permeia como um clima sutil, uma aura de energia. Agora na Rússia Soviética eles descobriram que fotografias podem ser tiradas do corpo energético. Eles o chamam de bioplasma, mas isso significa exatamente prana. A energia, o élan vital, ou o que os Taoistas chamam chi, agora pode ser fotografado. Agora isso se tornou quase científico.

Nossa grande descoberta aconteceu na Rússia Soviética, e foi o seguinte: antes que seu corpo físico sofra de alguma doença, o corpo energético a sofre - seis meses antes. Só então ela acontece ao corpo físico. Se você vai ter uma tuberculose ou um câncer ou qualquer outra doença, seu corpo energético começa a apresentar indicações disso seis meses antes. Nenhum exame, nenhum teste do corpo físico apresenta qualquer coisa, contudo, o corpo elétrico começa a mostrar isso. Primeiro aparece no pranamaya kosha, depois entra para o annamaya kosha.

Agora eles dizem que se tornou possível tratar uma pessoa antes que ela adoeça. Uma vez que se tornou assim, não há mais nenhuma necessidade para a humanidade adoecer. Antes que você saiba que você está doente, suas fotografias pelo método de Kirlian mostrarão que alguma doença vai acontecer no seu corpo físico. Ela pode ser evitada no pranamaya kosha.

Eis porque a yoga insiste muito na pureza da respiração, porque o pranamaya kosha é feito de uma energia sutil que viaja dentro de você com a respiração. Se você respirar corretamente, seu pranamaya kosha permanece saudável, total e vivo.

Tal pessoa nunca se sente cansada. Uma pessoa assim está sempre disponível para fazer qualquer coisa. Tal pessoa é sempre receptiva, sempre pronta para responder ao momento, pronta para aceitar o desafio. Ela está sempre pronta; você nunca a achará despreparada para qualquer momento. Não que ela planeje o futuro, não, mas ela tem tanta energia que o que quer que aconteça ela está pronta para responder. Ela possui uma energia transbordante.

A respiração natural precisa ser entendida. Observe crianças pequenas, elas respiram naturalmente. Eis porque crianças pequenas estão repletas de energia. Os pais estão cansados, mas elas não estão cansadas.

De onde procede essa energia? Ela vem do pranamaya kosha. Uma criança respira naturalmente e, é claro, respira mais prana para dentro, mais chi para dentro, e o acumula na sua barriga. A barriga é o repositório, o reservatório. Observe uma criança; essa é a maneira correta de respirar. Quando uma criança respira, seu peito permanece completamente natural. Sua barriga vai para cima e para baixo. Ela respira como que a partir da barriga. Todas as crianças possuem uma barriga pequena, essa barriga é assim devido à respiração delas e do reservatório de energia.

Essa é a maneira correta de respirar; lembre-se de não usar demasiadamente seu peito. Ás vezes ele pode ser usado – nas emergências. Você está correndo para salvar sua vida; então o peito pode ser usado. É um recurso de emergência. Dessa forma, você pode usar uma respiração superficial, rápida, e correr. Mas normalmente o peito não deve ser usado. E uma coisa a ser lembrada: o peito serve somente para situações emergenciais porque fica difícil numa situação de emergência respirar naturalmente, porque se você respirar naturalmente você permanece tão calmo e quieto que você não pode correr, você não pode lutar. Você está tão calmo e concentrado como um Buda. E numa emergência – a casa está pegando fogo – se você respirar naturalmente você não será capaz de salvar coisa alguma. Ou um tigre pula sobre você na floresta e se você continuar a respirar naturalmente você não se incomodará; você dirá: Ok, deixe-o fazer o que quer que ele queira – você não será capaz de proteger a si mesmo.

Assim a natureza proveu um recurso de emergência; o peito é um recurso de emergência. Quando um tigre lhe ataca, você tem que deixar o respirar natural e você precisa respirar a partir do peito. Desse modo você terá mais capacidade para correr, para lutar, para queimar energia rapidamente. E numa situação de emergência existem apenas duas alternativas: voar ou lutar. Ambas precisam de uma energia muito superficial, mas intensa – superficial, porém, um estado muito perturbado, tenso.

Se você respirar continuamente a partir do peito, você terá tensões em sua mente. Se você respirar continuamente a partir do peito, você estará sempre assustado porque a respiração do peito é significativa somente em situações ameaçadoras. E se você fez disso um habito, então você estará continuamente assustado, tenso, sempre voando. O inimigo não está presente, mas você irá imaginar que o inimigo está presente. Eis como surge a paranóia.

Observe uma criança e esse é o respirar natural e respire dessa maneira. Deixe sua barriga subir quando você inalar, deixe sua barriga descer quando você exalar. E permita que isso seja num ritmo tal que se torna quase uma canção em sua energia, uma dança – com ritmo, com harmonia – e você se sentirá tão relaxado, tão vivo, tão vital que você não podia imaginar que tal vitalidade fosse possível.

Osho, Yoga: The Path to Liberation, Discurso #1

Para continuar lendo em inglês, click aqui.