Quantcast

OSHO Times Body Dharma O Homem Integral

O Homem Integral

Um homem deve ser somente homem, um homem deve ser somente humano – total, íntegro. E dessa integridade surgirá um novo tipo de saúde.

O Oriente é introvertido, o Ocidente é extrovertido. O homem está dividido, a mente é esquizofrênica. Eis porque todos os grandes mestres vieram do Oriente e todos os grandes cientistas vieram do Ocidente. O Ocidente desenvolveu a ciência e esqueceu completamente da alma interior; está interessado na matéria, contudo olvidou a subjetividade interior. Todo o foco está sobre o objeto. Dessa forma todos os grandes cientistas nasceram no Ocidente. O Oriente tornou-se por demais preocupado com a alma interior e esqueceu da objetividade, da matéria, do mundo. Os grandes mestres religiosos surgiram disso, mas essa não é uma situação boa, isso não deve ser assim.
 

O homem deve tornar-se um.
 

Não deve ser permitido ao homem ser desigual de jeito nenhum. O homem deve ser uma fluidez, nem extrovertido, nem introvertido. O homem deve ser capaz de ser ambos. O interior e o exterior, quando equilibrado, dá uma experiência arrebatadora.

A pessoa que não está demasiadamente inclinada nem para o interior, nem também para o exterior é uma pessoa equilibrada. Ele será um cientista e um místico juntos. Isso é algo que irá acontecer, que vai acontecer. Estamos preparando o terreno para isso. Eu gostaria de ver um homem que não fosse nem Ocidental nem Oriental, porque ser Oriental como sendo contra o Ocidental é feio. Ser Ocidental como sendo contra o Oriental também é feio. Toda a terra nos pertence e nós pertencemos à terra inteira. Um homem deve ser somente homem, um homem deve ser somente humano – total, íntegro. E dessa integridade surgirá um novo tipo de saúde.

O Oriente tem sofrido, o Ocidente tem sofrido. O Oriente tem sofrido: você pode ver isso por toda parte – a pobreza, a fome. O Ocidente tem sofrido, você pode ver dentro da mente Ocidental – tensão, ansiedade, angústia. O Ocidente é interiormente muito pobre, o Oriente é muito pobre exteriormente. A pobreza é ruim. Seja ela interna ou externa, não faz nenhuma diferença, a pobreza não deveria existir.
 

O homem deve ser rico, interior, exteriormente, de ambas as maneiras.
O homem deve possuir todas as dimensões da riqueza.

 

Basta pensar num homem que seja ambos um Albert Einstein e um Gautama Buda. Apenas medite sobre essa possibilidade – e isso É possível. De fato, se Albert Einstein tivesse vivido um pouco mais, ele teria se tornado um místico. Ele teria começado a pensar sobre o interior, ele estava se interessando no mistério interior. Quanto tempo você pode permanecer interessado no mistério exterior? Se você está realmente interessado no mistério, então mais cedo ou mais tarde você irá tropeçar no interior também.
 

Meu conceito é de um mundo que não seja nem Oriental nem Ocidental, nem interior nem exterior, nem extrovertido nem introvertido – que seja equilibrado, que seja total.
 

Contudo isso não foi assim no passado. Eis porque sua questão é relevante. Você pergunta: “Porque todos os grandes mestres vieram do Oriente?” Porque o Oriente tem estado obcecado com o interior como sendo contra o exterior. Naturalmente, quando através dos séculos, você fica obcecado com o interior, você irá gerar um Buda, um Nagarjuna, um Shankara, um Kabir. Isso é natural.

Se você estiver obcecado com o exterior como sendo contra o interior, você irá gerar um Albert Einstein, um Eddington, um Edison, isso é natural. Mas isso não é bom para a totalidade dos seres humanos. Alguma coisa está faltando. O homem que tem crescimento interior, mas não cresceu exteriormente permanece juvenil no exterior, permanece estúpido exteriormente. E o mesmo é o caso com o homem que cresceu muito, que amadureceu, muito maduro, no que se refere à matemática, a física e a química, mas que por dentro nem sequer nasceu ainda, que ainda permanece no útero.

Essa é minha mensagem para vocês: abandonem esses hemisférios – Oriente e Ocidente – e abandonem esses hemisférios do interior e exterior. Tornem-se fluidos. Permitam o movimento, fluam, sejam suas próprias vidas. Fiquem disponíveis para ambos o exterior e o interior.

Eis porque ensino amor e meditação.

Amor é a passagem para o exterior, meditação é a passagem para o interior.

E um homem que está apaixonado e meditativo está além da esquizofrenia, está além de todos os tipos de divisões. Ele se tornou um, ele é íntegro. De fato, ele tem alma.

Osho, The Diamond Sutra, Discurso #8

 

Para continuar lendo em inglês, click aqui