Quantcast

OSHO Times Body Dharma Esse corpo mesmo, o Buda: sim, você.

Esse corpo mesmo, o Buda: sim, você.

Você passa seu dia vagamente alerta de que você está sendo conduzido por um corpo? Talvez não seja assim quando que você dá uma topada com seu dedão do pé, ou inadvertidamente você colide com uma parte da mobília, então você descobre, Hei! Eu tenho um dedão! Tenho uma perna! E devido a que você está sofrendo com dores, sua descoberta de um membro ou de um complemento negligenciado por tanto tempo tende a ser seguido por uma imprecação do que por um agradecimento do coração.
Se você quiser mudar isso, se você gostaria de ter um bom relacionamento de trabalho com seu corpo, comece a se conectar com ele quando você se sentir saudável.
Essa é a sugestão de Osho...

Se tudo está Ok (com o seu corpo), você permanece completamente inconsciente disso, e realmente, esse é o momento ideal para o contato ser feito – quando tudo está ok – porque quando algo dá errado, então esse contato é feito com doença, com alguma coisa que deu errado e o bem-estar não está mais presente. Você tem uma cabeça agora mesmo; então a dor de cabeça chega e você faz contato. Porém, quase perdemos essa capacidade. Tente fazer contato com seu corpo quando tudo está bem.

Deite-se sobre a grama, feche seus olhos e sinta a sensação que está acontecendo no íntimo, o bem estar que está borbulhando dentro. Deite-se no rio. A água está tocando o corpo e cada célula está sendo resfriada. Sinta por dentro como a frieza penetra, célula a célula, e vai se aprofundando no corpo. O corpo é um grande fenômeno, um dos milagres da natureza.

Sente-se sob o sol. Deixe que os raios do sol penetrem no corpo. Sinta o calor quando ele se move dentro, como ele vai se aprofundando, como ele toca nas células sanguíneas e alcança os próprios ossos. Sol é vida, sua própria fonte. Assim, com os olhos fechados, apenas sinta o que está acontecendo. Permaneça alerta, observe e desfrute.

Pouco a pouco, você ficará cônscio de uma harmonia muito sutil, uma bela música, acontecendo continuamente por dentro. Assim você tem o contato com o corpo; do contrário, você carrega um corpo morto.

Seu corpo pode ser usado como um mecanismo; então você não precisa ser muito sensível para isso. O corpo continua dizendo muitas coisas que você nunca escuta porque você não tem qualquer contato. Assim tente ser cada vez mais sensível com o seu corpo. Escute-o, ele continua dizendo muitas coisas, e você está tão orientado pela cabeça que você nunca o escuta.

Toda vez que há um conflito entre sua mente e corpo, seu corpo está quase sempre mais certo do que sua mente, porque o corpo é natural, sua mente é social. O corpo pertence a essa vasta natureza e sua mente pertence a sua sociedade, sua sociedade particular, idade e tempo. O corpo tem profundas raízes na existência e a mente está somente acenando na superfície. Todavia, você sempre escuta a mente, você nunca escuta o corpo. Devido a esse hábito antigo, o contato está perdido.

O corpo inteiro vibra ao redor do centro do coração assim como todo o sistema solar gira em torno do sol. Você se tornou vivo quando o coração começou a bater, você irá morrer quando o coração parar de bater. O coração permanece o centro solar de seu corpo. Fique alerta quanto a isso. Mas você só pode ficar alerta, pouco a pouco, somente se você ficar alerta do corpo todo.
 

Osho, Vedanta: Seven Steps to Samadhi, Discurso #12
 
Para continuar lendo em Inglês, click aqui.