Quantcast

OSHO Times Emotional Ecology Raiva é uma Coisa Pequena

Raiva é uma Coisa Pequena

Como posso ficar cônscio durante emoções fortes? Minha raiva parece como milhares de cavalos selvagens correndo comigo!

A raiva é uma coisa muito pequena. Se você puder apenas esperar e observar, você não irá encontrar “Milhares de cavalos selvagens”. Se você puder encontrar até mesmo um pequeno jumento, isso será o bastante! Apenas observe-a e ela irá passar lentamente.Ela irá entrar desse lado e sair do outro lado. Você precisa ter apenas um pouco de paciência para não montar nela.

Raiva, ciúmes, inveja, competição... todos os nossos problemas são muito pequenos, contudo nosso ego os engrandece, torna-os tão grandes quanto possível.
 

O ego não pode fazer de outra maneira; a raiva dele também precisa ser grande. Pela sua grande raiva, e grande miséria, e grande avidez, e grande ambição ele se torna grande.

Mas você não é o ego, você é somente um observador. Basta ficar de lado e deixar todos os milhares de cavalos passarem – eles são selvagens - eles passarão, Mas não perdemos nem mesmo um pequeno jumento, imediatamente montamos nele! Você não precisa de milhares de cavalos selvagens. Basta uma coisa pequena, e você fica cheio de raiva e em chamas. Você irá rir disso mais tarde, de como você foi estúpido.

Se você puder observar, sem se envolver, como se fosse algo na tela de um cinema ou de uma TV… Algo está passando; observe isso. Você não deve fazer nada para impedir, para reprimir, para destruir, de puxar uma espada e matar isso, porque onde você irá conseguir uma espada? – da mesma fonte de onde a raiva está vindo. Isso é tudo imaginação.
 

Apenas observe, e não faça nada – contra ou a favor.
 

E você ficará surpreso; o que parecia tão grande, se torna bem pequeno. Mas nosso hábito é de exagerar.

Um menino chega em casa correndo, e diz a mãe dele – ele não tem mais do que três anos de idade – “Mãe, um grande leão, rosnando ferozmente, correu atrás de mim por milhas! Mas de alguma maneira consegui escapar. Muitas vezes ele chegou muito perto. Ele estava a ponto de me atacar quando comecei a correr mais rapidamente”.

A mãe olhou para o menino e disse, “Tommy, já lhe disse um milhão de vezes para não exagerar! Como é que você pode encontrar um leão na cidade... e você esteve correndo por milhas? E onde está o leão?”

O menino olhou para fora da porta, e disse, ele está ali fora. Mas para falar a verdade, é apenas um pequeno cão – bem pequeno! Mas quando ele estava correndo atrás de mim, parecia... Você me diz para não exagerar, e agora mesmo você exagerou que você me disse isso milhões de vezes”.

Nossas mentes são muito exageradas. Você tem pequenos problemas, e se você puder parar de exagerar e apenas ver, então um pobre pequeno cão está lá na porta. E não há nenhuma necessidade de correr por milhas, sua vida não corre perigo.

Quando a raiva acontece a você, ela não vai lhe matar. Ela já aconteceu a você muitas vezes antes, e você sobreviveu perfeitamente bem. É a mesma raiva que já passou por você antes. Basta fazer uma coisa nova – que você nunca fez antes; toda vez você se envolve com ela, lutando. Dessa vez apenas observe, como se ela não lhe pertencesse, como se fosse a raiva de alguém mais. E você terá uma grande surpresa: ela desaparecerá dentro de segundos.
 

E quando a raiva desaparece sem nenhuma luta, ela deixa para trás um estado tremendamente belo, de amor, de silêncio.
 

A mesma energia que podia ter se tornado uma luta com a raiva é deixada dentro de você. Energia pura é deleite – Estou citando William Blake: “Energia é deleite” – apenas energia, sem qualquer nome, sem qualquer adjetivo... Porém você nunca permite a energia ser pura. Seja ela raiva, ou ódio, ou amor, ou avidez, ou desejo. Ela está sempre envolvida com algo mais; você nunca permite sua pureza.

Toda vez que alguma coisa surgir em você, é uma grande oportunidade de experienciar pura energia. Basta observar, e o jumento passará. Ele pode levantar um pouco de poeira, mas essa poeira também assenta por si mesma; você não tem que assentá-la. Você só aguarda. Não desista de esperar e de observar, e logo você se descobrirá cercado de pura energia que não foi usada na luta, na repressão, ou em ficar com raiva.

E energia é certamente deleite. Uma vez que você conheça o segredo do deleite, você irá desfrutar de cada emoção; e cada emoção que surge em você é uma grande oportunidade. Apenas observe, e traga uma chuva de deleite sobre seu ser. Lentamente, todas essas emoções irão desaparecer; elas não mais voltarão – elas não chegam sem convite. Observação, ou atenção, ou alerta, ou consciência, são todos nomes diferentes do mesmo fenômeno: testemunhar. Essa é a palavra chave.
 

Osho, The Invitation, Discurso #4

 

Para continuar lendo em ingles, click aqui