Quantcast

OSHO Times Emotional Ecology Vivendo com Medo

Vivendo com Medo

Todos os vossos medos são sub produtos da identificação.

Você ama uma mulher e com o amor, na mesma proporção vem o medo: ela pode lhe deixar – ela já deixou alguém e veio para você. Há um precedente, talvez ela faça o mesmo com você. Existe medo, você sente nós no estômago. Você está apegado demais.

Você não pode entender um simples fato: você veio ao mundo só; você esteve aqui ontem também, sem essa mulher, perfeitamente bem, sem nós no estômago. E amanhã, se essa mulher for embora... Qual é a necessidade dos nós no estômago? Você sabe como ficar sem ela, e você será capaz de ficar sem ela.

O medo de que as coisas possam mudar amanhã... Alguém pode morrer, você pode ir a falência, seu emprego pode ser tirado. Há mil e uma coisas que podem mudar. Você está sobrecarregado com mais e mais medo, e nenhum deles é válido... porque ontem também você estava cheio com todos esses medos, desnecessariamente. As coisas podem ter mudado, porém você ainda está vivo. E o homem possui uma imensa capacidade de ajustar-se a qualquer situação.

Eles dizem que somente o homem e as baratas possuem essa imensa capacidade de ajustamento. Eis porque aonde quer que você encontre o homem você também encontrará baratas, e aonde quer que você encontre baratas você irá encontrar o homem. Eles convivem juntos, eles têm uma similaridade. Até mesmo nos lugares distantes como os pólos Norte e Sul... Quando o homem viajou para esses lugares logo descobriu que tinha trazido baratas com ele, e elas estavam perfeitamente saudáveis, vivendo e se reproduzindo.

Se você apenas olhar ao redor da terra você pode ver que o homem vive em milhares de climas diferentes; situações geográficas, situações políticas, situações sociológicas, situações religiosas, contudo ele consegue viver. E ele tem vivido por séculos... As coisas prosseguem mudando, ele vai se ajustando.

Não há nada a temer. Mesmo se o mundo acabar, e daí? Você estará acabado com ele. Você acha que você ficará numa ilha e o mundo inteiro acabará, deixando-o sozinho? Não se preocupe. Você terá pelo menos algumas baratas com você!

Qual o problema se o mundo acabar? Isso me tem sido perguntado muitas vezes. Mas qual é o problema? – Se ele acabar, ele acaba. Isso não cria nenhum problema porque não estaremos aqui; estaremos acabados com ele, e não haverá ninguém para se preocupar com isso. Será realmente a maior libertação do medo.

O fim do mundo significa que todos os problemas terminaram, todo o fim da perturbação, todo o fim dos nós no estômago. Não vejo problema. Mas sei que todo mundo está cheio de medos.

Mas a questão é a mesma: o medo é parte da mente. A mente é uma covarde, e tem que ser uma covarde porque ela não tem qualquer substância. Ela é vazia e oca, e tem medo de tudo. E basicamente ela teme que um dia você possa ficar cônscio. Isso será realmente o fim do mundo! Não o mundo acabar, mas sim, você tornar-se cônscio, você chegar a um estado de meditação onde a mente tem que desaparecer. Esse é o medo básico. Por causa desse medo isso mantém as pessoas longe da meditação, torna-os inimigos de pessoas como eu que está tentando espalhar algo da meditação, alguma coisa da conscientização e do testemunhar. Eles se tornam antagonistas com relação a mim. Não sem nenhuma razão, o medo deles está bem fundamentado.

Eles podem não estar cientes disso, mas a mente deles realmente teme chegar perto de qualquer coisa que possa criar mais consciência. Isso será o princípio do fim da mente. Isso será a morte da mente. Mas para você não existe nenhum medo. A morte da mente será o seu renascimento, seu começo de realmente viver. Você deve ficar feliz, você deve regozijar-se na morte da mente, porque nada pode ser uma liberdade maior. Nada mais pode lhe dar asas para voar no céu; nada mais pode tornar todo o céu seu.

A mente é uma prisão.

Consciência é sair da prisão – ou compreender que nunca esteve na prisão; apenas pensava que estava na prisão. Todos os medos desaparecem.

Também estou vivendo no mesmo mundo, mas nunca senti por um momento sequer qualquer medo porque nada pode ser tirado de mim. Posso ser morto, contudo estarei vendo isso acontecer, desse modo, o que está sendo morto não sou eu, não é minha consciência.

A maior descoberta na vida, o tesouro mais precioso, é o da conscientização. Sem isso você está destinado a ficar na escuridão, cheio de medos. E você irá continuar criando novos medos; não há um fim para isso. Você irá viver no medo, você irá morrer no medo, e você nunca será capaz de sentir o sabor da liberdade. E isso era o tempo todo seu potencial; a todo o momento você podia tê-lo reclamado, mas você nunca o reclamou.

É sua responsabilidade.

Osho, Beyond Psychology, Discurso #19

 

Para continuar lendo em ingles, click here