Quantcast

OSHO Times Emotional Ecology Resistência a Meditação / Deixando a Miséria

Resistência a Meditação / Deixando a Miséria

Você propõe a meditação como um meio para deixar minha miséria para trás e tudo que faço é resistir. A ideia de ficar quieto e silencioso não me excita; na verdade me assusta.
Você poderia explicar minha resistência para com a meditação?

A ideia da quietude e do silêncio não excita ninguém. Isso não é seu problema pessoal. Isso é um problema da mente humana como tal, porque ficar quieto, significa estar no estado da não-mente.

A mente não pode ficar quieta. Ela precisa pensar, preocupar-se continuamente. A mente funciona como uma bicicleta; se você prossegue pedalando-a, ela continua. No momento que você pára de pedalar, você vai cair. A mente é um veículo de duas rodas como uma bicicleta, e seu pensar é um constante pedalar. Até mesmo quando você está um pouco silencioso, imediatamente você começa a se preocupar – porque estou silencioso? Qualquer coisa servirá para criar preocupação, pensar, porque a mente só pode existir de uma maneira – correndo, sempre correndo atrás de algo ou correndo de alguma coisa, mas sempre correndo. No correr a mente existe. No instante em que você pára, a mente desaparece.

Agora mesmo você está identificado com a mente. Você pensa que você é ela. Dela procede o medo. Se você estiver identificado com a mente, naturalmente, se ela parar você está acabado, você não existe mais. E você não conhece nada além da mente.

A realidade é que você não é a mente, você é algo além da mente; daí a necessidade absoluta da mente parar para que, pela primeira vez, você venha a saber que você não é a mente, porque você ainda está lá. A mente se foi, você ainda está presente – e com grande alegria, grande glória, grande luz, grande consciência, grande ser. A mente estava fingindo e você havia caído na armadilha.

O que você precisa compreender é o processo de identificação – como ficamos identificados com algo que não somos.

Uma antiga parábola no Oriente é que uma leoa estava saltando de um monte para outro e bem no meio ela deu nascimento a um filhote. O filhote caiu na estrada onde um rebanho de ovelhas estava passando. Naturalmente ele se misturou com as ovelhas, viveu com elas, comportou-se como uma ovelha. Ele não tinha a menor idéia, nem mesmo em seus sonhos, de que ele era um leão. Como poderia ter? Todos ao redor dele eram ovelhas e mais ovelhas. Ele nunca havia rosnado como um leão; uma ovelha não rosna. Ele nunca esteve só como um leão; uma ovelha nunca fica só. Ela está sempre em rebanho; o rebanho é aconchegante, seguro, certo. Se você vê uma ovelha caminhando, elas caminham tão juntas que elas quase tropeçam uma na outra. Elas têm tanto medo de ficar a sós.

Mas o leão começou a crescer. Era um fenômeno estranho. Ele estava mentalmente identificado como sendo uma ovelha, porém a biologia não quer saber de suas identificações; a natureza não vai seguir você.

Ele se tornou um belo jovem leão, mas como as coisas ocorriam tão lentamente às ovelhas também se acostumaram com o leão enquanto ele também se acostumava com as ovelhas. Elas, naturalmente, achavam que ele era um pouco louco. Ele se comporta estranhamente; e ele continua crescendo. Isso não era para ser assim. E fingindo ser um leão... Mas ele não é um leão. Elas o viram desde seu nascimento, elas o criaram, o amamentaram. E ele era não-vegetariano por natureza. Nenhum leão pode ser vegetariano, mas esse leão era vegetariano porque as ovelhas são vegetarianas. Ele costumava comer grama com grande alegria.

Elas aceitaram essa pequena diferença, que ele é um pouco grande e parecia com um leão. Uma ovelha muito sábia disse: é apenas um acidente natural. De vez em quando isso acontece. E ele mesmo também aceitou isso como verdadeiro. A cor dele era diferente, o corpo dele era diferente; ele deve ser um acidente, uma anormalidade. Mas a idéia de que ele era um leão era inadmissível! Ele estava cercado por todas essas ovelhas, e as ovelhas psicanalistas lhe deram explicações: você é somente um acidente da natureza. Não se preocupe. Estamos aqui para cuidar de você.

Mas um dia um velho leão passava e viu esse jovem leão entre o rebanho de ovelhas. Ele não pode acreditar no que estava vendo! Ele nunca tinha visto tal coisa nem nunca tinha ouvido em toda história passada que um leão estivesse no meio de um rebanho de ovelhas e nenhuma delas estava assustada. E o leão estava caminhando exatamente como uma ovelha, pastando na grama.

O velho leão não podia acreditar nos seus olhos. Ele esqueceu que estava indo pegar uma ovelha para sua refeição. Ele esqueceu completamente da refeição. Era algo tão estranho que ele tentou chegar no jovem leão. Porém ele era velho e o jovem leão era novo – ele fugia. Embora ele acreditasse que era uma ovelha, quando havia perigo a identificação era esquecida. Ele corria feito um leão, e o velho leão tinha muita dificuldade de alcançá-lo. Mas finalmente o velho leão o agarrou e ele estava chorando e dizendo: me perdoe, sou uma pobre ovelha. O velho leão disse: Idiota! Pare com isso e venha comigo até o lago.

Bem próximo havia um lago. Ele levou o jovem leão até lá. O jovem leão não estava indo voluntariamente. Ele foi relutantemente, mas o que você pode fazer contra um leão quando você é apenas uma ovelha? Ele pode matá-lo se você não segui-lo, então ele foi com o leão. O lago estava silencioso, sem nenhuma ondulação, quase como um espelho. E o velho leão disse para o jovem: Apenas olhe. Veja a minha face e veja sua face. Veja o meu corpo e olhe para o seu corpo refletido na água.

De repente aconteceu uma grande rosnada, que ecoou por todos os montes. A ovelha desapareceu; ele era um ser totalmente diferente – ele reconheceu a si mesmo. A identificação com a ovelha não era uma realidade, era somente um conceito mental. Agora ele tinha visto a realidade. E o velho leão disse: Agora não preciso dizer mais nada. Você compreendeu.

O jovem leão podia sentir uma estranha energia que ele nunca havia sentido... Como se isso estivesse dormente. Ele podia sentir um tremendo poder, e ele tinha sido sempre uma ovelha fraca, humilde. Toda aquela humildade, toda aquela fraqueza, simplesmente evaporou.

Essa é uma antiga parábola sobre o mestre e o discípulo. A função do mestre é apenas trazer o discípulo para que ele veja quem ele é e no que ele continua acreditando não é verdadeiro.

Sua mente não é criada pela natureza. Tente manter sempre a distinção: seu cérebro foi criado pela natureza. Seu cérebro é o mecanismo que pertence ao corpo, mas sua mente é criada pela sociedade na qual você vive – pela religião, pela igreja, pela ideologia que seus pais seguem, pelo sistema educacional no qual você foi educado, por todo tipo de coisas. Eis porque existe uma mente Cristã, uma mente Hindu, uma mente Maometana e uma mente comunista. Cérebros são naturais, mas as mentes são fenômenos criados. Ela depende de qual rebanho de ovelhas você pertence. Era o rebanho de ovelhas Hindu? Então naturalmente você irá se comportar como um Hindu.

A meditação é o único método que pode lhe tornar cônscio de que você não é a mente; e isso lhe dá um domínio tremendo. Assim você pode escolher o que é certo com a sua mente e o que não é correto com a sua mente, porque agora você está distante, um observador, um vigia. Então você não está mais apegado a mente, e esse é o seu medo.

Você esqueceu completamente de si mesmo; você se tornou a mente. A identificação é completa. Assim, quando digo: Fique silencioso. Fique quieto. Esteja alerta e vigilante de seus processos mentais! Você treme, você fica assustado. Isso parece com a morte. De certa maneira você está certo, mas isso não é sua morte, é a morte de seus condicionamentos. Combinados, eles são chamados de sua mente.

Quando você for capaz de ver claramente a distinção – que você está separado da mente e que a mente está separada do cérebro – isso imediatamente acontece. Simultaneamente, quando você se retira da mente, você subitamente percebe que a mente está no meio; de ambos os lados estão cérebro e consciência.

O cérebro é simplesmente um mecanismo. O que quer que você queira fazer com ele, você pode fazer. A mente é o problema, porque outros a fizeram para você. Ela não é você, ela sequer lhe pertence; é tudo emprestado.

Os padres, os políticos, as pessoas que estão no poder, as pessoas que investiram em seus interesses, não querem que você saiba que você está acima da mente, além da mente. Todo o esforço deles tem sido mantê-lo identificado com a mente devido a que a mente é manipulada por eles, não por você. Você está sendo enganado de uma maneira tão sutil. Os manipuladores de sua mente estão do lado de fora.

Quando a consciência se torna identificada com a mente, então o cérebro fica desamparado. O cérebro é simplesmente mecânico. O cérebro faz o que a mente quiser. Mas se você estiver separado, então a mente perde seu poder; do contrário, ela é soberana. E você fica com medo da meditação devido a isso.

Não pertenço a nenhuma religião, não pertenço a nenhuma ideologia política, não pertenço a nenhuma nação. Não estou repleto com toda essa bobagem chamada de escrituras sagradas – simplesmente coloquei a mente de lado. Eu uso diretamente o cérebro; não há nenhuma necessidade de qualquer condicionamento, não há nenhuma necessidade de qualquer mediador.

Contudo, seu medo é compreensível. Você foi criado com certos conceitos, e talvez você esteja com medo de perdê-los.

Osho, The Path of the Mystic, Discurso #40

Para continuar lendo em inglês, click aqui.