Quantcast

OSHO Times Emotional Ecology Usando Tempos de Crises

Usando Tempos de Crises

Sempre que há uma crise de identidade, quando as pessoas não sabem quem elas são, quando o passado perde sua força, quando as pessoas ficam desenraizadas do tradicional, quando o passado deixa de ser relevante, surge essa crise, uma grande crise de identidade; quem somos nós? Que devemos fazer?

Essa oportunidade também pode se transformar numa maldição, se você cair vítima de algum Adolf Hitler; mas essa maldição pode se tornar numa grande abertura para o desconhecido, se você tiver bastante sorte de estar próximo a um Buda. Se você tiver bastante sorte de estar apaixonado por um Buda, sua vida pode ser transformada.

As pessoas que ainda estão apegadas à tradição e que pensam que sabem o que é certo e o que é errado, nunca encontrarão um Buda. Continuarão a viver suas vidas, suas vidas rotineiras, uma vida triste, uma vida morta. Continuarão realizando suas tarefas como seus antepassados costumavam fazer. Por séculos, eles têm estado seguindo uma trilha e prosseguirão seguindo essa velha trilha.

É claro, quando você segue uma velha trilha, você se sente seguro; tantas pessoas já caminharam por ela. Mas quando você vem para um Buda e você começa a se mover no desconhecido, não há nenhuma avenida, nenhuma vereda antiga. Você terá que fazer seu próprio caminho andando; a estrada não será encontrada pronta.

Posso lhes dar encorajamento para que vocês se movam por si próprios. Posso disparar um processo de investigação em vocês; mas não lhes darei um sistema de pensamento, não lhes darei qualquer certeza. Darei somente uma peregrinação... Uma peregrinação que é perigosa, uma peregrinação que tem milhões e milhões de armadilhas, uma peregrinação na qual vocês terão que enfrentar cada vez mais e mais perigos a cada dia, uma peregrinação que levará vocês para o topo da consciência humana, para o quarto estado. Mas quanto mais alto vocês forem, maior será o risco de cair.

Só posso lhes prometer uma grande aventura, arriscada, perigosa, sem nenhuma promessa de que vocês alcançarão; porque o desconhecido não pode ser garantido.
Vocês estão entrando num belo espaço. Se o bem e o mal deixaram de existir, tanto melhor! Agora penetrem em outra dimensão, não feita pelo homem, onde as distinções não são relevantes, onde nada é bom e nada é ruim, onde o que quer que seja é, e o que não é, não é. Não há nenhuma questão de bom e ruim; ou uma coisa é ou não é. O bom e o ruim não são nada senão alternativas a serem escolhidas: ou escolha isso ou escolha aquilo. Isso lhe mantém na divisão do ou isso ou aquilo.

No momento em que você começar a ver a enganação do bom e do mal, quando você começar a ver que estas são coisas manufaturadas socialmente... É claro que eles são utilitários, e não estou dizendo para ir ao mercado e se comportar como se não houvesse nada de bom e nada de errado. Não estou dizendo para caminhar pelo meio da estrada, nem dizendo o que importa se a pessoa caminha pela direita ou pela esquerda.

Quando você estiver com as pessoas, lembre-se de que para eles, o bem e o mal ainda existem. Seja respeitoso para com eles e seus sonhos. Não é para você perturbar o sonho de ninguém. Quem é você? Não é para você interferir. Seja gentil com as pessoas e com a estupidez delas, seja gentil para com eles e os jogos deles. Mas por todo o tempo se lembre, bem no fundo nada é bom, nada é ruim.

A existência está simplesmente lá; não há nada para escolher. E lembre-se, quando não há nada a escolher, você se tornará indiviso. Quando existe algo para escolher, isso também lhe divide. A divisão é uma espada de dois gumes: ela divide a realidade exterior, ela lhe divide interiormente. Se você escolher, você escolhe a divisão, você escolhe ser partido, você escolhe a esquizofrenia. Se você não escolher, se você souber que não há nada bom, nada ruim, você escolhe a sanidade.

Não escolher coisa alguma é escolher sanidade, não escolher é ser são, porque agora não há nenhuma divisão externa, como você pode ficar dividido interiormente? O interior e o exterior estão juntos. Você se torna indivisível, você se torna um indivíduo. Esse é o processo de individualização. Nada é bom, nada é ruim. Quando isso chega em sua consciência, subitamente você está inteiro, todos os fragmentos desaparecem numa unidade. Você está cristalizado, você está centrado.

Vir a saber que nada é bom, nada é ruim, é o momento decisivo; é uma conversão. Você começa a olhar para dentro; a realidade externa perde o sentido. A realidade social é uma ficção, um belo drama; você pode participar dele, mas então, não o leve a sério. É apenas um papel a ser desempenhado, faça-o tão belamente, tão eficientemente quanto possível. Mas não o tome como algo sério, não há nada do supremo nele.

O supremo é o interior; a alma não dividida sabe disso. E, chegar até essa alma, esse é o ponto crítico.

Osho, The Book of Wisdom, Discurso #4

 

Para continuar lendo em ingles, click aqui