Quantcast

Osho Osho On Topics Morte

Morte

Osho,
Qual é a atitude zen para a morte?

Risos. Sim, o riso é a atitude zen para a morte e para a vida também, porque a vida e a morte não estão separadas. Tudo o que é a sua atitude perante a vida será a sua atitude para com a morte, porque a morte vem como o florescimento final da vida. Existe vida para a morte. A vida existe através da morte. Sem a morte, não haverá vida em tudo. A morte não é o fim, mas o ponto culminante, o crescendo. A morte não é a inimiga, é a amiga. Ela torna a vida possível.

Assim, a atitude Zen sobre a morte é exatamente a mesma que é a atitude Zen perante a vida – a do  riso, alegria, comemoração. E se você pode rir da morte, na morte, você estará livre de tudo. Então você será a liberdade. Se você não pode rir da morte, você não será capaz de rir da vida, mesmo porque a morte está sempre chegando. Cada ato da vida, cada movimento da vida, traz a morte mais perto. Cada momento que você vive, você chega mais perto da morte. Se você não pode rir com a morte, como você pode rir com a vida e na vida?

Mas há uma diferença entre os zen-budistas e outras religiões. Outras religiões não vão tão profundamente  no tema: as outras religiões também dizem que não há necessidade de temer a morte, porque a alma é imortal. Mas, na própria idéia da imortalidade da alma, sua mente está buscando a eternidade e nada mais. Na própria idéia de imortalidade você está negando a morte, você está dizendo que não há morte. Você está dizendo: "Então, por que ter medo? Não há morte.  Eu vou viver – se não com este corpo, ainda vou viver com esta alma. Meu ser essencial vai continuar. Então, por que temer a morte? A morte não estará me destruindo. Eu permanecerei, vou persistir, vou continuar". As outras religiões se comprometem com o seu desejo de permanecer para sempre, e lhes dão um consolo. Elas dizem: "Não se preocupe. Você estará em algum outro corpo, em alguma outra forma, mas você vai continuar". Isto nâo passa de  um apego.

Mas a abordagem Zen para a morte é totalmente diferente, imensamente mais profunda. Outras religiões dizem que a morte não é motivo de preocupação, não deve ser temida, pois a alma é eterna. Zen diz: Não pode haver qualquer morte, porque você não é nada. Não há ninguém para morrer. Veja a diferença – não há ninguém para morrer. O eu não existe, por isso a morte não pode tirar nada de você. A vida não pode dar-lhe qualquer coisa e morte não pode tirar nada. Não há propósito na vida e nenhum propósito na morte. Não há ninguém para morrer. Outras religiões dizem que você não vai morrer por isso não há o que se preocupar com a morte. Zen diz: Você não existe – por quem você está se preocupando? Não há ninguém na vida e não haverá ninguém na morte, você é o vazio puro. Nada jamais aconteceu com você.

Osho, This Very Body the Buddha, Talk #8

 

A morte é uma parte da vida, orgânica e integral e é muito amigável com a vida. Sem ela a vida não poderia existir. A vida existe por causa da morte, a morte dá a sustentação. A morte é, de fato, um processo de renovação. E a morte também acontece a cada momento, como a vida acontece, porque a renovação é necessária a cada momento. No momento em que você inspira e no momento que você exspira, ambas acontecem. Inspirando, a vida acontece, expirando, a morte acontece. Por isso, quando uma criança nasce, a primeira coisa que ela faz é inspirar, então a vida começa. E quando um homem velho está morrendo, a última coisa que ele faz é expirar, então a vida se afasta. Expirando é a morte, inspirando é a vida – e ambos são como duas rodas de um carro de boi. Você vive pela inspiração na medida em que você vive pela expiração. A inspiração é a parte da expiração. Você não pode inspirar, se você parar de expirar. Você não pode viver se você parar de morrer. O homem que compreende o que é a sua vida, permite que a morte aconteça, ele a acolhe. Ele morre a cada momento e em cada momento ele ressuscita. Sua vida e sua ressurreição estão continuamente acontecendo como um processo. Ele morre para o passado a cada momento e que ele nasce de novo e de novo para o futuro.

Se você olhar para a vida, você será capaz de saber o que é a morte. Se você entender o que é a morte, então você é capaz de entender o que é a vida. Eles são orgânicos. Normalmente, por medo, criamos uma divisão. Nós pensamos que a vida é boa e a morte é ruim. Nós pensamos que a vida tem deve ser desejada e a morte deve ser evitada. Achamos que de alguma forma temos que nos proteger contra a morte. Esta idéia absurda cria misérias infinitas em nossas vidas, porque uma pessoa que se protege contra a morte torna-se incapaz de viver. Ela é a pessoa que tem medo de expirar, então ela não pode inalar, então ela está presa. Então ela simplesmente afunda, sua vida já não é um fluxo, a sua vida não é mais um rio.

Se você realmente quer viver você tem que estar pronto para morrer. Quem tem medo da morte em você? É a vida com medo da morte? Isso não é possível. Como a vida pode ter medo do seu próprio processo integral? Outra coisa  é que provoca tem medo em você. O ego tem medo em você. Vida e morte não são opostos; ego e morte são opostos. Vida e morte não são opostos; ego e vida são opostos. Ego é contra a vida e a morte. O ego tem medo de viver e o ego tem medo de morrer. Ele tem medo de viver, pois cada esforço, cada passo em relação à vida, traz a morte para mais perto.

Osho, The Art of Dying, Talk #1