Quantcast

Osho Osho On Topics Jesus

Jesus

Na verdade Jesus nunca morreu na cruz. Demora pelo menos 48 horas para uma pessoa morrer na cruz judaica e tem havido casos conhecidos em que as pessoas têm resistido quase seis dias na cruz sem morrer. Porque Jesus foi descido da cruz depois de apenas seis horas, não há possibilidade de sua morte tenha sido na cruz. Foi uma conspiração entre um rico simpatizante de Jesus e Pôncio Pilatos para crucificar Jesus o mais tarde possível na sexta-feira – porque, no sábado, os judeus param tudo, a sua Sabbath não permite qualquer atividade. Na noite de sexta-feira tudo para.

O acordo era de que Jesus seria crucificado no final da tarde, por isso antes do por do sol ele seria baixado da cruz. Ele poderia ter estado inconsciente porque tanto sangue tinha fluído para fora do corpo, mas ele não estava morto. Depois, ele seria mantido em uma caverna, e antes do sábado terminar e os judeus pendurarem novamente, seu corpo seria roubado por seus seguidores. A sepultura foi encontrada vazia, e Jesus foi removido da Judeia tão rapidamente quanto possível. Quando ele voltou a estar curado e saudável, ele mudou-se para a Índia e viveu uma vida longa – 112 anos – na Caxemira.

Osho, Beyond Psychology, Talk #13

 

Jesus era um ser totalmente iluminado. Este fenômeno da ressurreição considerando o dogma cristão, parece inconcebível, mas não para yoga. Yoga acredita – e há amplas provas disso – de que uma pessoa pode totalmente morrer sem morte. O coração para, o pulso para, também há paradas respiratórias – a yoga ainda tem métodos que ensinam isso. Na Índia, nós sabemos que Jesus deve ter praticado algum exercício de yoga profundo quando ele foi colocado na cruz, porque se o corpo realmente morre, não há possibilidade de ressurreição. Quando aqueles que tinham crucificado Jesus sentiram que ele estava morto, seu corpo foi baixado da cruz e entregue a seus seguidores. Então, depois de enrolar o corpo em musselina fina e passado uma pomada, que até hoje é conhecida como a "pomada de Jesus", dois de seus seguidores, José e Nicodemos, removeram o corpo para uma caverna, a entrada foi fechada com uma enorme pedra.

Existe uma seita, os essênios, que tem sua própria tradição nesses casos. Diz-se que seus seguidores essênios ajudaram a Jesus a se recuperar dos seus ferimentos. Quando ele foi visto novamente, porque seus seguidores não podiam acreditar que ele era o mesmo Jesus que havia sido crucificado, a única maneira, e isso está registrado na Bíblia, foi para mostrar-lhes as feridas cicatrizadas. Esses ferimentos foram curados pelos essênios, e a cura ocorreu durante os três dias em que Jesus permaneceu na caverna se recuperando de seu calvário.

Então, quando os ferimentos foram curados, ele desapareceu. A pedra enorme da boca da caverna havia sido removida e a caverna foi encontrada vazia. Jesus não estava lá! É este o desaparecimento de Jesus da caverna que levou à teoria comum de sua ressurreição e ascensão ao céu. Mas depois que ele se mostrou aos seus discípulos, ele tinha que desaparecer do país, porque se ele tivesse permanecido lá, ele teria sido crucificado novamente. Ele foi para a Índia onde, um diz a tradição, uma tribo de judeus tinha desaparecido. O famoso historiador francês, Bernier, que visitou a Índia durante o reinado de Aurangzeb, escreveu: "Ao entrar no reino depois de cruzar a Pir Panjal Pass, os habitantes das aldeias fronteiriças me pareceu semelhante a dos judeus". Sim, Kashmiris realmente se parecem judeus – em seus rostos, em cada expressão sua.

Onde quer que você se mova na Caxemira, você sente que você está se movendo em uma terra judaica. Pensa-se que Jesus veio para Kashmir, porque era uma terra judaica na Índia – uma tribo de judeus estava morando lá. Há muitas histórias na Caxemira sobre Jesus, mas a gente tem que ir lá para descobri-las. A crucificação mudou a cabeça de Jesus totalmente. A partir de então, ele viveu na Índia por 70 anos de forma contínua, em completo silêncio – desconhecido, oculto. Ele não era um profeta, ele não era um ministro, ele não era um pregador. É por isso que não se sabe muito sobre ele.

O cristianismo não traz muita informação. Mesmo sobre Jesus falta muita informação. A sua vida não é conhecida: o que ele praticou, como ele meditou, nada é conhecido. Os apóstolos cristãos, que registraram o que ele disse eram pessoas ignorantes: eles nunca sabiam muita coisa. Um deles era um pescador, um outro era um carpinteiro. Todos os doze apóstolos eram ignorantes. Os apóstolos não compreendiam o que Jesus estava fazendo quando ele foi para as colinas e ficou em silêncio durante quarenta dias. Eles só registraram o que aconteceu e que, quando ele voltou, ele começou a pregar. Mas o que ele estava fazendo lá? Nada se sabe – nada.

Osho, The Great Challenge, Talk #9

 

Houve uma longa tradição patológica no cristianismo. Os Cristãos dizem que Jesus nunca ria. Agora isso é um total absurdo! Eu digo a você que Cristo riu toda a sua vida, só ele é que podia rir. Quem mais? Mas os cristãos dizem que ele nunca riu. Eles querem mostrá-lo muito triste, muito sobrecarregado. Eles projetam a sua tristeza em Jesus, projetam sua miséria em Jesus. Jesus torna-se uma tela, e você continua projetando sua mente para ele. Jesus riu, apreciado, amado. Se você ir para os Evangelhos, sem seus preconceitos, você vai encontrá-lo. Como você pode pensar de outra forma sobre um homem que estava fazendo festas, comendo bem, movendo-se com as mulheres, bebendo – sim, o vinho não era desconhecido para ele, ele adorava. Ele era um homem muito feliz. Um homem que bebe, come bem, adora comer, ama os amigos – é impossível conceber que ele nunca riu. Mas os cristãos têm representado Jesus de acordo com sua própria projeção. A projeção é de sua miséria. E então Jesus se torna apenas uma desculpa para ficar triste, para ser infeliz.

É por isso que na Igreja não há riso, nenhuma alegria, nenhuma celebração. Igrejas tornaram-se cemitérios. E não é por acaso que a cruz se tornou o símbolo. Não deveria ser um símbolo. Eu posso entender suas dificuldades, especialmente as dificuldades de Chintana. Ela diz: "O que vou fazer com o Jesus que eu pensei que conhecia e amava por tanto tempo? "Você nunca conheceu Jesus. Através de mim, há uma possibilidade de conhecer Jesus. Se você for corajoso o suficiente, você pode conhecer a Jesus pela primeira vez. Porque você pode conhecer Jesus somente através de um homem que alcançou a consciência de Cristo. Um Krishna só pode ser conhecido através de um homem que atingiu a consciência de Krishna. E eles são a mesma coisa: consciência Krishna – consciência Cristo – consciência Buddha. A transcendência. Você não pode compreender Jesus através de um sacerdote. Ele próprio não o conhece. Ele leu, ele pensou, ele contemplou, ele especulou, filosofou. Sim, ele tem uma mente muito cultuada, ele conhece as escrituras, mas conhecer as escritura não é conhecer Jesus. Para conhecer Jesus você terá que conhecer o seu mais íntimo vazio. Sem conhecer isto você não pode fazer outro alguém familiarizar-se com Jesus.

Osho, I Say Unto You, Vol. 1, Talk #2