Quantcast

Osho Osho On Topics Relacionamentos

Relacionamentos

Relacionamento é uma estrutura e amor é não-estruturado. Assim, o amor se relaciona, certamente, mas nunca se torna um relacionamento. O amor é um processo de momento a momento. Lembre-se disso. O amor é um estado do seu ser, não um relacionamento. Há pessoas que amam e há pessoas sem amor. Pessoas sem amor fingem estar amando através de relacionamentos. Para amar as pessoas não é preciso ter qualquer relação – o amor é o suficiente.
Seja uma pessoa amorosa, sem ter uma relação de amor – porque as relações acontecem um dia e desaparecem em outro. São flores, na parte da manhã eles florescem, pela noite, eles se foram.
Você é uma pessoa amorosa, Mantra.
Mas as pessoas acham que é muito difícil ser uma pessoa amorosa, assim querem criar um relacionamento – "Agora eu sou uma pessoa amorosa, porque estou em um relacionamento" e seguem se enganando dessa forma porque isso pode ser apenas um relacionamento de monopólio, exclusividade, possessividade.
Relacionamento pode ser apenas resultado do medo, pode não ter nada a ver com amor. Relacionamento pode ser apenas um tipo de segurança – financeira ou de qualquer outra coisa. A relação é apenas necessária porque o amor não está lá. Relacionamento é um substituto. Torne-se alerta! Relacionamento destrói o amor, destrói a própria possibilidade de seu nascimento.

Osho, Walk Without Feet, Fly Without Wings and Think Without Mind, Talk #8

 

Se você pode amar sem ter ciúme, se você pode amar sem apego, se você pode amar uma pessoa tanto que sua felicidade é a sua felicidade... Mesmo se ele está com outra mulher e ele está feliz, isso faz você feliz, porque você o ama tanto: sua felicidade é a sua felicidade. Você vai ser feliz porque ele está feliz, e você será grato à mulher que fez a pessoa que você ama, feliz – você não vai ficar com ciúmes. Então, esse amor chegou ao grau de máxima pureza.
Este amor não pode criar qualquer escravidão. E este amor é simplesmente a abertura do coração a todos os ventos, a todo o céu. Parece um pouco estranho, mas nós fomos ensinados continuadamente que o amor é uma relação, então temos que nos acostumar com a idéia de que o amor é um relacionamento. Mas isso não é verdade. Esse amor é do menor tipo – muito poluído.

Osho, Light on the Path, Talk #25

 

A liberdade é o desejo definitivo do homem. O homem desabrocha apenas no estado de liberdade. Meditação traz liberdade.
E eu não sou contra o amor, pois é apenas um passo menor do que o da liberdade e é bonito de se ter um amor como uma fragrância à sua volta. Deixe a liberdade ser o seu centro e amor ser a sua circunferência. Que o amor seja a circunferência e a liberdade no centro, e você será um ser total, um ser completo.
Mas no relacionamento isso nunca funciona. Você está me perguntando: "Como duas pessoas podem estar comprometidas uma com o outra"? "Elas não podem estar. O compromisso é para a existência, não para o outro. Compromisso só pode ser com o todo, e não para o outro.
"Como funciona um relacionamento?" Você me pergunta. Ele não funciona – e você pode checar em todos os lugares. É apenas fingimento. As pessoas continuam a dizer que tudo está bem, que tudo é bom. Qual motivo elas tem para mostrar suas próprias misérias? Por que motivo mostrariam suas feridas? Elas sempre vão escondê-las. É humilhante alguém ter que mostrar suas feridas, então as pessoas fingem que tudo está indo bem. Elas continuam sorrindo, reprimindo seus sofrimentos.
Dizem que Friedrich Nietzsche teria dito: "Eu ando sorrindo e me divertindo pela simples razão de que, se eu não sorrir, talvez eu possa começar a chorar". Sorrir é uma forma de encobrir as lágrimas: você muda a sua energia deixando as lágrimas para o sorriso aí, então, esquece as lágrimas. Mas todo mundo está cheio de lágrimas.
Eu vi em milhares de vidas das pessoas, nos seus relacionamentos. É tudo uma miséria, mas elas continuam encobrindo, fingindo que tudo está indo bem. Um relacionamento não funciona, não pode funcionar.
E você diz: "Eu tenho medo do compromisso, então evito relacionamentos. "Você está perfeitamente certo em ter medo do compromisso e você está perfeitamente certo em evitar relacionamentos, mas não evite o relacionar-se. Não tenha qualquer relação exclusiva, seja amigável. Deixe crescer o amor ao nível da amizade, que seja essa uma qualidade sua. Seja amoroso. Não o transforme em um relacionamento, basta ser amoroso.
Estas são as três etapas. Relacionamento é o mais baixo, é animal. O amor é uma qualidade do seu ser. Assim como você respira, deixe o amor ser igual, o que é humano. E o amor em sua expressão máxima não é nem mesmo uma qualidade, você se torna o próprio amor. Então não é nem mesmo como a respiração, é como seu próprio ser, então é espiritual. Mas a terceira possibilidade só pode acontecer através da meditação. Esse refinamento só é possível se as suas energias passarem por toda a alquimia do ser meditativo.

Osho, Zen: Zest Zip Zap e Zing, Talk #5

 

A menos que você seja iluminado, as relações extra-conjugais são boas. Então, por favor tenha tantas quantas você pode ter antes de se tornar iluminado, porque uma vez que você esteja iluminado eu não posso ajudar-lhe! Então, você está acabado.
De vez em quando apenas uma pequena amostra de uma nova mulher, ou de um novo homem, revive o seu interesse na velha esposa ou no velho marido. Você começa a pensar: "Afinal de contas, ela não é tão ruim assim...". Um pouco de mudança é sempre bom.
Eu não sou contra as relações extra-conjugais. As pessoas que são contra essas relações realmente estão ensinando possessividade de uma maneira indireta. Quando eu digo que eu não sou contra as relações extra-conjugais estou ensinando você a não-possessividade. Basta ver o ponto: se eu falo sobre não-possessividade as pessoas pensam: "Isso é espiritual, isto é religioso – isso é ótimo"! Mas se eu falar sobre relacionamentos extra-conjugais, o espiritual e o religioso ficam imediatamente ofendidos.
Mas eu estou dizendo a mesma coisa. Falar sobre não-possessividade é abstrato, falar sobre relacionamento extra-conjugal é concreto. E você não pode viver com abstrações, você tem que viver com a vida concreta.
E o que o homem pode fazer de errado? Se um homem está cansado da mesma mulher – os mesmos contornos, a mesma geografia, a mesma topografia – de vez em quando um pouco de geografia diferente, uma paisagem pouco diferente...e ele chega em casa novamente interessado em explorar o velho mapa. Ele dá uma pausa, um coffee break. E depois de cada coffee break novamente pode se envolver na mesma obra, os mesmos arquivos, e você pode abri-los e começar a trabalhar. A pausa para o café ajuda você.
Eu não quero que as pessoas se interessem em ideais impossíveis. Eu não sou um idealista em tudo. Sou pé-no-chão, pragmático, realista.
Se as pessoas querem viver juntas em uma profunda intimidade, eles não devem ser possessivas. Eles devem permitir a liberdade. E isso é o relacionamento extra-conjugal, é  liberdade.

Osho, Philosophia Ultima, Talk #3

 

Relacionamento é belo porque é um espelho. Mas há pessoas estúpidas – vêem seu rosto no espelho e vêem que é feio, assim querem destruir o espelho. A lógica é evidente: este espelho está os tornando feios, então o espelho tem que ser destruído e, então, eles são lindos.
O relacionamento é um espelho. Onde quer que esteja se relacionado com uma pessoa – esposa, marido, amigo, amante, inimigo – um espelho está lá. A esposa espelha o marido. Você pode ver-se lá. E se você ver um marido feio, não tente deixar a sua esposa – a feiúra está em você. Largue essa feiúra. O espelho é bonito, seja grato a este espelho.
Mas as pessoas estúpidas e covardes sempre tentam escapar e renunciar. Pessoas corajosas e sábias sempre vivem em relacionamento e o usam como um espelho. Viver com alguém é uma constante espelhamento ao seu redor. Cada momento do outro revela você, expõe você. Quanto mais próximo o relacionamento, mais claro é o espelho, quanto mais distante a relação, menos claro é o espelho.

Osho, My Way: The Way of the White Clouds, Talk #11

 

Viva, e viva tão totalmente que você possa entrar em contato com você mesmo. E não há outra maneira de entrar em contato com você mesmo. Quanto mais profundamente você vive, mais fundo você se conhece, nos relacionamentos, na solidão. Quanto mais fundo você se move no relacionamento, no amor, mais fundo você sabe. O amor torna-se um espelho. E quem nunca amou não pode ficar sozinho, pode no máximo ser solitário.
Aquele que amou e conheceu um relacionamento pode ficar sozinho. Agora, sua solitude tem uma qualidade totalmente diferente para ele, não é solidão. Ele viveu em um relacionamento, preencheu seu amor, conheceu o outro, e conheceu a si mesmo através do outro. Agora, ele pode conhecer a si mesmo diretamente, agora o espelho não é necessário. Basta pensar em alguém que nunca se deparou com um espelho. Ele pode fechar os olhos e ver o rosto dele? Impossível. Ele não pode sequer imaginar seu rosto, ele não pode meditar sobre ele. Mas um homem que chegou a um espelho, olhou para ele, seu rosto conhecido através dele, pode fechar os olhos e ver o rosto dentro de si. Isso é o que acontece na relação. Quando uma pessoa se move em um relacionamento, o relacionamento espelha, reflete ele, e ele vem a saber muitas coisas sobre si mesmo que ele nunca soube que existia.
Através do outro, ele passa a conhecer sua ira, sua ganância, seu ciúme, sua possessividade, sua compaixão, seu amor, e milhares de facetas do seu ser. Muitas coisas  ele encontra através da outro. Pouco a pouco chega um momento em que ele já pode estar sozinho, ele pode fechar os olhos e conhecer diretamente a sua própria consciência. É por isso que eu digo que, para as pessoas que nunca amaram, a meditação é muito, muito difícil.
Aqueles que amaram profundamente podem se tornar meditadores profundos, aqueles que amaram em um relacionamento estão agora em uma posição de ser por si mesmos. Agora, eles tornaram-se maduros, agora o outro não é necessário. Se o outro está lá eles podem compartilhar, mas a necessidade desapareceu, agora não há dependência.

Osho, Living Tao, Talk #1