Quantcast

Osho A Mente "Religiosa"

A Mente "Religiosa"

<< Back

A Mente “Religiosa”
 
Osho, From Misery to Enlightenment #6
 
 
Existência é multidimensional. De todo ponto… como se ela fosse um sol com milhões de raios movendo-se em direção ao infinito. Cada raio pode lhe conduzir ao infinito, mas se você escolher um, é claro que você tem que deixar os outros; e você só pode escolher um. Você não pode nem mesmo montar em dois cavalos, o que dizer de duas dimensões? Pois estas irão divergir cada vez mais, enquanto você avança, haverá um espaço infinito desconectado entre eles. Na fonte eles são um. Dali você pode escolher qualquer um, mas uma vez que você escolheu uma linha, então os outros são deixados para trás.
 
Tenho estado perambulando por toda minha vida. Você precisa estar alerta. E se você puder me lembrar que passei por algum lugar, posso agarrar uma dimensão que foi deixada para trás. Mas você não deve esperar que eu pare de perambular pois agarrando uma outra dimensão, novamente estarei deixando muitas outras.
 
A cada passo há um problema de escolha, pois sou uma pessoa existencial, não sou um pensador. Isso não é um silogismo lógico que estou propondo a você. É minha experiência que estou tentando partilhar com vocês – e experiência é tão vasta que só posso mostrar a vocês uma pequena parte dela. Mas vocês são sempre bem vindos para me lembrar. Sim, lembro-me que perambulei por muitos lugares, talvez alguns eu possa conseguir pegar de volta de novo.
 
Era religião – religião no mais baixo nível da humanidade, o nível instintivo. Todas as tribos primitivas, aborígenes, ainda estão vivendo sob o primeiro tipo de religião, que os teólogos chamam de “mágica”.
 
Esta acredita que se você sacrifica para um deus, se você fizer um certo ritual, uma certa dança, uma certa oração, então o deus fica satisfeito com você e as recompensas virão.
 
Por exemplo, quando não está chovendo – estes são os problemas dos povos primitivos – quando não está chovendo, o que irá fazer a tribo primitiva? Esta irá organizar um ritual, talvez um sacrifício de um ser humano vivo – o deus deles é bem sedento de sangue. Ou, se a tribo evoluiu um pouco, então, em vez de um homem, irão escolher um animal. Se a tribo evoluiu um pouco mais, então irão escolher não um animal, nem um homem, mas alguma coisa parecida.
 
Agora, por exemplo, na Índia eles quebram um coco. O coco é muito parecido com o crânio humano. Este tem uma pequena barba, um bigode, dois olhos, um pequeno nariz. De fato, em Hindi o crânio é chamado de khopri e ‘o coco’ das narinas é chamado de khopra. A similaridade é tanta que ambos têm o mesmo nome. Quebrar um crânio era o ritual original, mas agora isso seria criminoso. Eles encontraram um bom substituto, um coco, mas a idéia é a mesma. Eles acham que tudo que os faz sentir prazer também faz o deus deles sentir prazer do mesmo jeito. Uma bela garota despida será colocada diante de deus, todo tipo de comida será preparada e posta diante de deus, e eles começarão uma dança louca: isso é uma maneira de agradar a deus.
 
Deus está ofendido, eis por que as chuvas não estão vindo. Se ele for agradado, as chuvas virão – e chuvas, cedo ou tarde, chegam. Então o ritual deles se torna válido, as chuvas chegaram. De vez em quando acontece que as chuvas não caem de maneira alguma. Desse modo o deus está realmente muito chateado e precisa de mais sacrifícios, mais rituais.
 
Esse é o tipo mais baixo de religião – chame-a de religião-magia – a crença de que apenas entoando algumas palavras, fazer algumas coisas, você pode mudar o curso da existência. Isso é simplesmente estúpido. A existência não necessita de seus sacrifícios, não necessita de suas danças – e nada atinge a existência. Mas o homem instintivo, o homem primitivo, não pode fazer mais do que isso. Esse é o limite do seu entendimento.
 
Este homem primitivo não morreu completamente, mesmo na assim chamada civilização. Vocês também pensam na mesma lógica. Vocês não sacrificam alguém, mas mesmo pessoas civilizadas, cultas, educadas, quando estão em dificuldades, imediatamente o homem primitivo nelas aparece. Sua esposa está doente e o doutor diz: “Tudo que podíamos fazer, foi feito. Agora, só um milagre pode salvá-la”. Até mesmo o doutor está sendo primitivo.
 
Ele está lhe dizendo: Só um milagre, somente alguma coisa mágica… A medicina falhou, ciência falhou; tudo que podíamos fazer, fizemos. Agora se ela for salva será através da graça de Deus ou pela graça de um santo, assim agora você vai a um templo, a uma mesquita, a sinagoga, a igreja, ou vai para algum sacerdote ou algum sábio”. O doutor caiu na religião primitiva.
 
E o homem, é claro, está absolutamente disposto para ir a qualquer lugar, a fazer qualquer coisa, pois ele quer salvar sua esposa. Essa não é hora para ele pensar sobre assuntos filosóficos – se isto é certo ou errado, se é primitivo ou civilizado, se é estúpido ou inteligente. Essa não é a hora. Ele corre! Ele nunca esteve com um santo, mas agora ele vai e cai aos pés dele e ora, “Salve minha esposa!”
 
O homem primitivo ainda está dentro de você porque o inconsciência ainda está dentro de você.
 
O homem primitivo só desaparece com o desaparecimento da inconsciência. Quando seu inconsciente e consciente se tornam um, toda sua mente se torna consciente. Assim não há como cair de volta para o homem primitivo. Do contrário, nove vezes mais do que o homem civilizado é o homem primitivo dentro de vocês. Qualquer hora que sua mente consciente começa a falhar, seu intelecto começa a falhar, você cai no fetiche do primitivo.
 
Religião do intelecto – a segunda categoria, uma categoria mais elevada – é pseudo-religião. Cristianismo, Judaísmo, Hinduísmo, Budismo, Maometismo – são todas produto do intelecto. Elas não são religiões-mágicas. Elas possuem teologias: pensaram acerca da existência, sua criação, porque esta foi criada; como se pode sair fora dessa roda de vida e nascimento. Eles estiveram pensando sobre isso, ponderando sobre isso por milhares de anos, e cada religião desenvolveu uma teologia.
 
A palavra teologia significa lógica sobre Deus. Esta é uma contradição em termos. Deus não é uma proposição lógica: você não pode prová-lo pela lógica, não pode refutá-lo pela lógica. Lógica é completamente irrelevante para Deus. Contudo, as pseudo religiões não podem fazer mais nada além disso, elas só podem pensar sobre isso. E elas possuem uma imaginação fértil para retratar Deus. Suas escrituras dizem que Deus criou o homem à sua própria imagem. A realidade é justamente o oposto: o homem criou deus à sua própria imagem. Eis por que existem tantos deuses – pois existem tantos homens, tantas raças, tantos rostos diferentes – olhos, narizes… tantos tipos diferentes.
 
Você não pode pensar de um negro inventando um deus branco. Você pode não ter pensado porque seu diabo se parece com um negro, porque seu diabo é preto. O deus dos negros será negro, e, é claro, o diabo tem que ser branco puro. E o homem branco provou ser bastante diabólico. Os negros não somente têm um argumento a favor disso, mas a história também, dando todas as evidências do que os brancos fizeram as pessoas de cor no mundo. Isso pode ter sido o maior mal que já aconteceu na história.
 
Como pode um chinês pensar em deus de outro modo a não ser como um chinês? Quando Marco Polo foi à China, ele foi o primeiro ocidental a alcançar a China. A China estava sob o grande império de Kublai Khan, filho de Genghis Khan. Talvez Kublai tenha sido um dos maiores imperadores no mundo pois governou por toda a China, Asia central, Extremo oriente.
 
Quando Marco Polo chegou na China, ele solicitou uma audiência. Kublai Khan era um homem de grande inteligência. Seu primeiro ministro disse: “Um homem que parece um macaco quer lhe ver. Isso será absolutamente sem precedente – nenhum imperador jamais concedeu uma audiência a um macaco.” O homem branco parecia um macaco para eles.
 
Kublai Khan disse: “Não tem problema. Se pode falar, ele não pode ser um macaco de modo algum, existe algo de humano. Traga-o aqui.” E ele ficou interessado em Marco Polo. Marco Polo era um jovem muito inteligente, e se tornou bem íntimo de Kublai Khan. Quando retornou à Europa ele declarou ao papa: “Na China eles adoram um Deus diferente, que parece um chinês, e eles nos acham semelhantes aos macacos.”
 
Para nós eles parecem um pouco estranhos. Eles têm uma barba bem pequena – uns poucos fios, você pode contá-los – narizes achatados, ossos da face salientes. Você não pode pensar um rosto mais feio – mas eles acham que isso é beleza. Um homem ou uma mulher que não possui estas saliências na face terá dificuldades para casar. Então um homem com um nariz típico da raça ariana: Indianos, Germanos, Ingleses, Franceses, Escandinavos, Holandeses, Russos… Estes são tudo uma só raça, e para eles um nariz potiagudo, um longo nariz, é tido como belo. Mas na China isto é feio, e eles não podem fazer o deus deles feio.
 
Marco Polo disse: “Isso me faz pensar que talvez estejamos todos imaginando a respeito de Deus. Ninguém sabe como ele parece.”
 
O papa ficou muito zangado e disse: “Você deve estar imaginando coisas. Está criando uma ficção para que possa ser tido como um grande explorador de uma nova terra. Não posso acreditar que algo maior que o Cristianismo exista em algum lugar.”
 
Marco Polo disse: “O Budismo é muito maior, tem milhões de monges, milhares de templos e monastérios. Comparado ao Budismo seu Cristianismo é nada” Mas ele estava sozinho. Que prova ele tinha? Ele trouxe algumas coisas que foram tiradas dele e queimadas para destruir as evidências.
 
Essa é a mente pseudo-religiosa. A mente pseudo-religiosa acredita m sua própria imaginação, em seu próprio pensar, e receia qualquer coisa que vá contra isso ou que seja um pouco diferente disso. Do contrário, as religiões não teriam estado lutando por milhares de anos..
 
Isto é algo estranho: Todas as religiões pregam o amor, e todas elas acabam em ódio.
 
Todas as religiões pregam a irmandade do homem, mas elas só criam inimigos um do outro. Todas as religiões ensinam que todo homem tem o potencial preciso para alcançar Deus, mas na prática eles dizem: Somente nossa religião é a verdadeira religião. Sim, todo homem pode alcançar Deus, mas ele tem que alcançar pelo nosso caminho: A menos que você siga Jesus Cristo você não tem qualquer chance. Contudo o mesmo é dito por Krishna: “Se você render-se a mim, deixando tudo de lado, eu cuidarei de você, não precisa preocupar-se.” E o mesmo é verdadeiro sobre todas as outras religiões. Eles parecem ser lojistas competidores – todo mundo está tentando vender seu negócio: seu livro sagrado, seu messias, seu deus.
 
A pseudo-religião sempre está temerosa pois no fundo as pessoas das pseudo-religiões sabem que é somente sua imaginação, não tem nenhuma experiência real. Ele mesmo não está convencido; então, ele precisa convencer os outros. Ele prossegue enviando missionários para outros países para convencer, converter mais e mais pessoas para o Cristianismo, para o Maometismo. Porque? Por que todo esse anseio para converter? Psicologicamente compreender isso é de imensa importância.
 
A pessoa que deseja converter alguém é uma pessoa que suspeita de sua verdade. Ele está realmente tentando, convertendo as pessoas, convencer a si mesma de que está certa. Se ela pode converter tantas pessoas isso lhe dá suporte suficiente: “Tantas pessoas não podem ser tolas. Eu posso ser um tolo mas tantas pessoas não podem serem tolas. Tais pessoas inteligentes… e elas acreditaram na minha crença. Minha crença está destinada a ser verdadeira.”
 
Cristianismo parece ser a mais falsa de todas as religiões pois é a mais interessada em converter as pessoas do que qualquer outra religião. De fato, Judaísmo e Hinduísmo, que são as duas mais antigas religiões, não estão interessadas em converter ninguém. Você precisa entender a psicologia disso.
 
Porque os Judeus não estão interessados em enviar missionários e converter as pessoas para o Judaísmo? Um Judeu é nascido, não é convertido. Você já viu um Judeu convertido em algum lugar? Isso é simplesmente absurdo. Judeus não tomará ninguém através da conversão. Se Deus não lhe fez um Judeu então não há outro modo; estes são o povo escolhido por Deus. Convertendo todo tipo de lixo, pode você melhorar a escolha de Deus? Se Deus não lhe fez um Judeu isso quer dizer que você não foi feito para ser um Judeu, você foi rejeitado. Então por milhares de anos eles jamais pensaram em converter pessoas para serem Judeus..
 
Os Hindus têm a mesma idéia – que eles são o único povo a quem Deus escolheu para dar o primeiro livro sagrado no mundo. Certamente seu Rig Veda é a mais antiga escritura do mundo e certamente é a escritura da religião mais antiga. Eles têm quatro castas: Os brâmanes, os sacerdotes. Os kshatriva, os guerreiros. Os vaishya, os negociantes. Os sudras, os intocáveis. Agora, esse era um problema: como eles podiam converetr alguém? E em qual casta eles iriam colocá-lo?
 
Hinduismo não é um pedaço, este é quatro castas.
 
Os brâmanes são a casta mais elevada. Você não pode converter ninguém para ser um brâmane. Ele representa Deus, daí o nome. O nome de Deus na Índia é Brahma, e brâmane significa aquele escolhido por Brahma, apontado pelo próprio Deus. Não há nenhuma maneira para alguém tornar-se um brâmane. Isso é decidido pelo nascimento, pois o nascimento é decidido por Deus, não está nas mãos dos homens decidir tais coisas.
 
Agora, os kshatryia também não permitirão que alguém entre. Esta é a Segunda casta mais importante e é uma coisa tradicional para ela ser um guerreiro, Ninguém – X, Y, Z – pode ser um guerreiro. É necessário longa tradição, treino. Você precisa ter sangue de um guerreiro, você não pode ser convertido.
 
A única casta que pode lhe absorver são os intocáveis. Os negociantes são a terceira casta, mas eles são mais elevados do que os intocáveis. Somente os intocáveis podem lhe absorver, mas sem a permissão dos brâmanes eles nada podem fazer. Conversão – um tal fenômeno religioso – está além da capacidade deles. Eles mesmos são párias.
 
Hisdus e Judeus já nascem assim. É porisso que ambas as religiões são as mais egoístas. Naturalmente, outras religiões dependem das conversões, senão de onde elas vão conseguir seus fregueses, seus clientes? Deus fez os Judeus, Deus fez os Hindus. Agora o mundo inteiro está dividido em dois povos escolhidos por Deus. Onde Jesus vai conseguir seu povo? De onde Buda vai tirar seu povo? Eles têm que depender das conversões. Onde Maomé vai conseguir Maometanos? Estes são retardatários. As antigas lojas possuem credibilidade; já estão estabelecidas, e estabelecidas pelo próprio Deus. Estes outros são recém-chegados no mercado. Naturalmente eles precisam atrair clientes das lojas antigas; do contrário nenhum freguês vai vir. E eles precisam criar novas atrações, preços mais baratos, melhores recompensas. E vocês podem ver isso…
 
O deus dos Judeus é um cara valentão.
 
Mas o deus dos Cristãos é puro amor. Vocês não sabem… é uma matemática tão simples: o deus dos Judeus pode ser um cara valente, mas Jesus precisa converter as pessoas, então ele tem que criar uma melhor imagem de deus, mais polida, mais refinada, mais humana, assim ele pode tornar o deus Judeu fora de moda.
 
A quem ele vai coverter? Os ricos certamente não serão convertidos pois eles já estão estabelecidos, respeitados, no mais alto nível da sociedade. Eles não irão seguir um vagabundo. Eles não vão se tornar motivo de riso – para que? Dessa forma todas essas beatitudes de Jesus: “Abençoados são os pobres porque deles é o reino de deus…” porque você só pode agarrar o pobre. O pobre já está zangado, com ciúmes do rico, e aqui vem um homem que diz: “Meu Deus é amor. E meu Deus permite somente os pobres no paraíso; os ricos não têm lugar aqui.”
 
Isto é simplesmente tática comercial – nada de profundo nela. Mas ninguém se interessou em observar como as novas religiões tentaram puxar clientes das antigas lojas para a própria loja delas. Todos eles são a favor do pobre. Estranho – os Judeus não têm uma única declaração na qual o rico seja condenado e o pobre seja louvado só por causa de sua pobreza. Judeus não possuem nenhuma declaração na qual a pobreza seja algo sagrado. Os Hindus também não. O homem rico, de acordo com o Hinduísmo, é rico porque ele foi religioso, virtuoso, em suas vidas passadas. É uma recompensa de Deus. E o pobre é pobre porque ele foi mau, irreligioso, em suas vidas passadas. Ele foi punido por isso. Pobreza é uma punição, riqueza é uma recompensa. Hindus ou Judeus, que já estão estabelecidos – porque deveriam eles se incomodar com os pobres e oprimidos? Mas Buda, Jesus, Mahavira, Maomé – todo o interesse deles está nos pobres, nos oprimidos.
 
É uma coisa simples: estas são as pessoas que podem ser convertidos, estas são as pessoas vulneráveis. Elas nada tem a perder e tudo a ganhar. Por exemplo, se um sudra se torna um seguidor de Buda, imediatamente ele não é mais intocável. Se um sudra torna-se um cristão ele não é mais intocável. Este é um mundo bem estranho.
 
Eu tinha um amigo que era o chefe em um colégio de teologia em Jabalpur, Chefe Mackwan. Eu estava dizendo essas coisas a ele: “Porque os Cristãos estão interessados somente nos pobres?”
 
Ele disse: “Por favor, venha até minha casa”. Eu estava sentado em seu escritório. Ele disse: Minha casa é bem atrás do colégio, venha até lá. Quero lhe mostrar alguma coisa.”
Ele me mostrou um retrato de um velho homem e uma velha mulher. Certamente que são mendigos, em trapos, sujos. Você podia até ver isso em seus rostos – tão famintos. Você podia ver que haviam sofrido por toda a vida deles. Isso estava escrito nas linhas de suas testas. Ele disse: Você pode reconhecer quem eles são?”
 
Eu disse: “Como posso reconhecê-los? Nunca vi essas pessoas, mas eles parecem mendigos”
Ele disse: “Eles eram mendigos. Ele é meu pai, ela é minha mãe. E eles não eram somente mendigos, também eram sudras, intocáveis. Eles se converteram, já velhos, ao Cristianismo pois eles eram tão velhos, cansados de mendigar; e agora estavam preocupados com seus filhos – particularmente esse garoto que é agora o chefe do colégio teológico Leonardo. O que aconteceria a ele se eles morressem? Ele também se tornaria um mendigo.”
 
Porque eles estavam doentes entraram em um hospital Cristão, pois nenhum outro hospital aceitaria pobres e daria a eles remédios, comida, cuidados médicos gratuitamente. Assim eles entraram, tinham que entrar, no hospital Cristão.
 
E aí a inteira metodologia é: com o remédio vai também dando a Bíblia tanto quanto possível; com cada injeção um pouco da Bíblia.
 
Com comida, o doutor fala sobre isso, a enfermeira fala sobre isso; o padre vem todos os dias para saber sobre a saúde deles, como eles estão.
Pela primeira vez eles sentiram que eram seres humanos. Ninguém nunca tinha perguntado a eles sobre a saúde deles. Eles eram tratados feito cachorros, não como seres humanos. E tivessem eles permanecidos Hindus teriam morrido feito cães, morrendo na esquina da rua. Vocês não sabem, pois não é assim no Ocidente. No Ocidente, cães têm uma morte melhor, uma vida melhor, pois qualquer cachorro que não tenha dono deve ser morto. O cachorro tem que pertencer a alguém, uma corrente declarando a possessão. Mas no Oriente você não pode matar ninguém. Pode haver um cão espalhando doença e enfermidade, mas você não pode matá-lo – matar é pecado.
 
Aconteceu… Estou me deslocando – lembre-se!
Em Lucknow existe um templo de Hanuman, o deus macaco. Bastante estranho que o templo esteja cercado de grandes árvores, e todas as árvores estão cheias de macacos – você nunca irá ver tantos macacos juntos. Talvez seja pela simples razão que tudo que é oferecido ao deus macaco, estes macacos comem, então aos poucos, eles se tornaram residentes permanentes ali. E o templo tem uma fama tal que as pessoas chegam até lá de toda parte, de lugares bem distantes porque é tido que o que quer que você deseje ali isso será realizado. Então eles desejam alguma coisa e eles juram diante do deus macaco: “Se nosso desejo for realizado então nós traremos cinquenta e uma rúpias de doces” – ou qualquer coisa que queiram trazer, ou o que quer que possam conseguir.
 
Assim todos os dis tanta comida é oferecida – e isso não tem coisa alguma a ver com o deus macaco. Se uma centena de pessoas vêm pedir, pelo menos um terço delas – apenas pelas regras aritméticas simples – um terço delas vão ter seus desejos realizados. Mesmo que elas não tivessem vindo não teriam sido perdedores, mas agora acreditam que o desejo foi realizado devido ao deus macaco. Os dois terços restantes cujos desejos não foram realizados deslocaram-se para algum outro templo – naturalmente, pois este deus macaco parece não ser simpático para com eles.
 
Você não pode pedir qualquer razão ou coisa alguma, mas é certo que seu desejo não é realizado, então você vai para algum outro templo. E há centenas de templos na Índia com árvores de realizar desejos. Basta você ir e pedir… e você só precisa dá um pequena propina. Mas um terço das pessoas cujos desejos foram realizados… E que tipo de desejos as pessoas pedem: “Que meu filho passe no exame vestibular, ou “Que meu filho consiga o emprego que ele solicitou”, ou ”Que minha filha consiga um marido pois não tenho muito dinheiro para dar”, ou “Minha mulher está doente, por favor torne-a saudável novamente”… simples assim, mundano, trivial humano.
 
Eles não estão pedindo por alguns milagres, “Que quando eu passar através do oceano este deve separar-se como aconteceu com Moisés. “Então eles saberiam se o deus macaco pode fazer alguma coisa ou não. Mas que seu filho passe no vestibular… e milhares de pessoas estão sendo aprovados no vestibular sem a ajuda do deus macaco. De fato, o deus macaco não era ele mesmo matriculado! E mesmo que ele faça a prova, ele não irá passar, você não pode esperar que ele seja aprovado.
 
Mas estas pessoas acham que os desejos delas são realizados assim elas trazem… Então macacos lentamente se juntaram – toda a estrada, de ambos os lados, está cheia de macacos. E por uma razão estranha, macacos e cachorros são todos contra uniformes. Talvez na vida passada deles tenham sido revolucionários: qualquer tipo de uniforme – carteiros na India usam uniformes, os policiais usam uniforme, o exército, os saniasins… Qualquer um de uniforme, e cachorros e macacos são contra eles.
 
Talvez vendo tantas pessoas com roupas diferentes, estilos diferentes, e de repente vendo alguém de uniforme, eles sentem um perigo: “Este homem não parece um homem, alguma coisa está errada em algum lugar”… e eles atacam. Isso não é a descoberta de Machiavelli que o ataque é a melhor defesa, que se você quiser defender-se, então ataque. Não espere que a outra parte lhe ataque pois assim será tarde demais para defender. Não lhes dê essa chance.
 
Macacos e cachorros então atacam pessoas uniformizadas. Sinto que isso é simplesmente que eles estão assustados; estas pessoas parecem um pouco estranhas, não se parecem com outros seres humanos. Milhões de seres humanos estão aí, e eles não os estão atacando. E também não atacam estas pessoas se elas não estiverem uniformizadas, atacam o uniforme. O uniforme lhes dá alguma idéia que alguma coisa é suspeita com esse homem.
 
Assim começou a acontecer no templo que os macacos passaram a atacar policiais, carteiros e militares… e os macacos eram aos milhares. Talvez alguém tivesse disparado a raiva deles, ninguém sabe como isso começou, porque sempre estiveram ali por centenas de anos, por muitas gerações. O templo é muito antigo e eles nunca fizeram isso, mas desde dez anos atrás, um dia de repente, um tumulto irrompeu entre os macacos e todas as pessoas uniformizadas. Isso tornou-se bem perigoso pois tantos macacos… mesmo um macaco é bastante para lhe assustar, mas quando muitos macacos, centenas, correndo pela estrada… a estrada foi bloqueada, ninguém mais passava por ela. Era uma avenida, então Lucknow foi dividida em duas partes; os macacos não permitiam ninguém passar.
 
Isso se tornou um problema na assembléia do estado de Uttar Pradesh – Lucknow é a capital – que “estes macacos precisam ser eliminados à bala. Eles pertubaram a paz da capital. As pessoas não podem ir para o outro lado, não podem vir para este lado. Escritórios ficam fechados pois tantas pessoas vivem daquele lado; muitos escritórios estão daquele lado e as pessoas vivem desse lado. Alguém que foi para aquele lado para trabalhar foi detido, não pôde voltar aqui. Alguma coisa precisa ser feita imediatamente”.
 
Um homem levantou-se e disse: “Se um único macaco for morto à bala então haverá um grande banho de sangue, pois o macaco é um deus Hindu: você está atirando em um deus Hindu. Isso não será tolerado”. Ele era um chauvinista Hindu que pertencia a um partido Hindu chauvinista. E embora o parlamento inteiro fosse privadamente a favor destes serem baleados – que mais se podia fazer? – a resolução fracassou pois eles sabiam que o que este homem dizia iria acontecer. Imediatamente haveria um massacre.
E isso que eles queriam.
 
Todos os políticos querem algum problema em algum lugar, pois só assim eles são necessários. Se tudo for correto, se não houver novidade, nada dá errado, os políticos começam a sentirem-se perdidos.
 
Eu não estive na Índia por quatro anos. Agora os jornalistas estão com saudades de mim. Estranhas pessoas! Todos eles eram contra mim. Quando eu estava lá, todos eram contra mim. Escreviam contra mim, nem mesmo se importavam se era veradeiro ou não. Noventa por cento era absolutamente falso. Eles estavam escrevendo isso, mas era notícias, notícias vendíveis. Agora estão sentindo minha falta pois as notícias que faziam sobre mim não podem mais fazer, e não há ninguém para me substituir.
 
Jornalistas, políticos – esses tipos de pessoas estão em busca de algum ponto que possa se tornar perigoso, alguma situação que possa tornar-se um problema. Então todos eles irão tentar fazer disso um problema tão logo seja possível.
A resolução não pôde passar; por quase duas semanas a estrada ficou bloqueada. Macacos não possuem grande memória; eles devem ter esquecido e se acalmaram aos poucos. Primeiro os devotos começaram a chegar com doces, oferecendo doces ao deus macaco, e depois o tráfego começou de novo.
 
Mas vocês não podem matar. Não podem matar cachorros. Matar não é permitido. Mas estas religiões têm estado matando uns aos outros. Eles não podem matar um cão, não podem matar um macaco, mas podem matar um homem. Isto é bem estranho. Tenho estado perguntando aos Hindus e Maometanos: “Vocês não podem matar animais mas podem matar um homem sem qualquer problema, como se o homem não tivesse nenhuma vida?” Não, a coisa é negócio. O homem pode ser convertido para ser uma Maometano – um cão não pode ser. Cães estão além do alcance de seus pregadores e missionários.
 
Professor Mackwan me disse: “Este é meu pai e mãe. Eles teriam morrido como cães e o veículo municipal os teriam jogado para fora da cidade com todo o lixo que carregam todos os dias, pois não há ninguém para levar um mendigo para a pira funerária. Quem se importa com um mendigo? Mendigos não são gente, não são seres humanos.
 
E depois ele me mostrou outro retrato de sua filha e de seu genro. Eu estava olhando para três gerações: o pai e a mãe, quase abaixo dos seres humanos. Mackwan, que havia ganho posição e agora ocupa um posto bem respeitável, muito bem pago. Agora os Brâmanes vêm e apertam as mãos dele, sem saber que ele é filho de dois mendigos que eram sudras. Eu conheço sua filha, uma das mulhares mais lindas que já vi. Ela é casada com um americano.
 
Olhando para as três gerações… uma tal mudança. Você não pode ligar a filha com a avó e como você pode ligar o genro com o avô? Parece não haver nenhuma ponte. O genro é um bem conhecido erudito, professor – seis ensinando na India, seis meses ensinando na América. Saroj, a própria filha é uma professora. Todos eles bem educados. O filho é um chefe. Eles se moveram numa direção completamente diferente sendo convertidos ao Cristianismo. Eu não pude me opor. Eu disse: “Seu pai e sua mãe fizeram bem.”
 
Hindus e Judeus estão estabelecidos. Cristãos, Maometanos e Budistas não estão estabelecidos. Eles tentam coverter pessoas, mas na conversão deles, no fundo, o que acontece? A religião estabelecida tem um passado para suportar, milhares de anos de passado, o que significa que milhões de pessoas estiveram no caminho; você não está sozinho.
 
Mas quando você segue Jesus você só sabe que este cara teve essas idéias fantásticas.
 
Quem sabe? Você está seguindo um tolo ou realmente o filho de Deus? Ele pode ser tanto isso ou aquilo, não há uma terceira alternativa. Ou ele é um perfeito idiota…
 
Na verdade Fyodor Dostoevsky escreveu um livro, O Idiota – esse é o título do seu livro. Porém, o idiota, o personagem, é quase semelhante a Jesus: muito inocente, simples, que jamais causou qualquer dano a ninguém. De fato, ele é melhor que Jesus. Mas Dostoevsky entitulou o livro de O Idiota.
 
Jesus precisa de pessoas convertidas. Ele mesmo pode estar sentindo-se hesitante sobre o que ele está dizendo ou sobre se isso é verdadeiro ou não. De fato, porque ele queria que os Judeus o aceitassem, sua messianidade? Porque ele era tão insistente que eles tiveram que crucificá-lo? Ele deve tê-los importunado, torturado-os com a idéia. Eles ficaram tão aborrecidos que decidiram: “Este homem não nos deixará em paz – ele tem que ser crucificado, senão irá continuar nos torturando.”
 
E ele estava ficando cada vez mais fanático. Ele começou a chamar o grande templo dos Judeus de: “a casa de meu Pai”, e “Eu vim para limpar a casa de meu Pai.” E ele realmente queria limpá-la de todos os sacerdotes e de todos os rabis: Qual é a necessidade de todas essas pessoas quando o único filho amado está ali?
 
Eu tinha virado um chato. Ele deve ter pensado em algum momento silencioso: “Talvez eu seja apenas louco. Não tenho sido capaz de convencer um único rabi.”
De fato, nunca tentei converter ninguém, mas há alguns rabis saniasins. Isso é estranho! E não é rabis comuns, são rabis famosos. E não tenho tentado de jeito nenhum converter ninguém porque não tenho nenhum dúvida. Porque deveria me incomodar em converetr alguém? Eu não tenho que convencer a mim mesmo de que estou certo. Eu sou!
 
Se nem mesmo uma pessoa estiver comigo, estarei tão certo quanto estou agora. Minha certeza não cresce com o crescimento do número de pessoas ao meu redor, não aumenta com o número de pessoas ao meu redor. Minha certeza vem da minha experiência. 
Os Judeus parecem estar preocupados, e todos os Cristãos carregaram sua doença em suas mentes. Todos eles estão preocupados. Não posso achar que o papa realmente acredita que ele reprsenta Deus, isso é impossível – a menos que você seja louco, então tudo é possível.
 
As pseudo-religiões estão continuamente tentando converter pessoas ou elas são tão antigas que a questão da conversão nunca surge. Eles são os principiantes. Desde o princípio eles aggarraram os clientes. Devido a esta idéia de converter as pessoas há constante lutas, cruzadas, Jihads, guerras santas.
 
E pseudo-religiões continuam criando mais e mais teologia. Para ninguém ler.
 
Eu nunca vi na minha vida alguém lendo um livro teológico. Visitei centenas de bibliotecas mas nunca vi ninguém, em nenhuma biblioteca, lendo um livro teológico. Tenho olhado nas livrarias das universidades e do governo e perguntado aos bibliotecários uma questão: “Gostaria de saber se algum livro da seção teológica é levado pelas pessoas?”
 
Eles disseram: “Você é a primeira pessoa a perguntar sobre isso. A seção teológica? Ninguém se importa. As pessoas estão interessadas somente em novelas. Quem irá se aborrecer com um livro teológico?” Um deles me levou até a seção teológica. Esta era a única seção onde você podia ver que todos os livros estavam intocados pelas mãos humanas, de tão limpos. Centenas de teólogos continuamente criando cada vez mais livros… Para que? – pois as questões básicas ainda não foram respondidas. Estas prosseguem aumentando sobre os livros, mas o que quer que façam, as questões fundamentais permanecem no mesmo lugar, pois intelecto não tem nenhuma resposta para elas.
 
Uma coisa simples não ocorreu a eles, que se em cinco ou dez mil anos de pensamento teológico vocês não foram capazes de demolir uma única questão, agora é hora de parar: talvez vocês não estejam movendo-se na direção correta.
 
Religião é o segundo estágio da conscientização, da mente consciente, intelecto, é teologia. Chamo isso de pseudo-religião – apenas palavras sobre a verdade, Deus, amor, mas nenhuma experiência para apoiá-las.
 
Quando a religião alcança o terceiro, o pico mais elevado, só então isso é religiosidade.
Assim o primeiro chamo de magia-religiosa.
O segundo chamo de pseudo-religião.
E o terceiro chamo de religiosidade.
Então isso é uma qualidade, assim não possui nenhum adjetivo nela.
Então não tem nenhuma tradição.
Então não tem nenhuma escritura, assim não tem nenhuma teologia.
Então a origem não está no passado.
E o paraíso não está no futuro.
Então ambos estão dentro de você.
Então você tem uma nova experiência, e essa experiência expressará a si mesma em amorosidade, amistosidade, compaixão.
Esta religião não se importará com Deus:
Seu interesse será compaixão.
Esta religiosidade não se importará com o céu e inferno.
Sua prepocupação será de como compartilhar seu júbilo.
Esta religião não está de jeito nenhum interessada em convencer você a acreditar em certos dogmas. Seu único interesse é dizer a você: “Eu o encontrei. Se você estiver interessado, posso compartilhar minha experiência. Não há nenhuma condição que você precisa aceitar isso, não há nenhuma condição que você tem que acreditar em mim. Isso é simplesmente minha alegria compartilhar isso com você. Então é para sua consideração se você quer fazer algo com isso ou não. De qualquer modo estou feliz e grato que você tenha me permitido compartilhar algo tão íntimo.”
 
. Um homem religioso, funcionando do ponto mais elevado da consciência intuitiva é apenas como a fragrância de uma flor.
 
Não existe a questão de você ser convertido. Mesmo que ninguém passe ao lado da flor, a fragrância ainda estará se espalhando ao redor, movendo-se… em algum lugar, alguém pode pegá-la. E mesmo que ninguém a pegue, isso não importa; é simplesmente natural para a flor explodir em fragrância.
 
Osho,
From Misery to Enlightenment Chapter 6
 

<< Back