Quantcast

Osho Que é o Buscador do Futuro? Ou o futuro do buscador?

 
Osho,
Em uma de suas últimas cartas para os terapeutas sua secretária disse que você abandonou o sannyas exterior em favor do sannyas interior. Por favor, você poderia dizer mais alguma coisa sobre isso
 
Tenho trabalhado duro para abandonar tudo que é exterior, para que apenas o interior permaneça para você explorar. Sob outros aspectos a mente humana é uma mente muito imatura. Ela começa apegando-se a símbolos externos. Isso aconteceu a todas as religiões do mundo. Todas começaram bem, mas todas se desviaram. E a razão foi que o exterior foi tão enfatizado que as pessoas esqueceram completamente do interior. Realizar o exterior era uma tarefa que absorvia tanta vida que não havia mais espaço nem mesmo para relembrar sobre sua jornada interior que é basicamente o significado da religiosidade.
 
Se você observar os assim chamados santos, sábios, mahatmas, a vida deles, você se surpreenderá. Eles são mais exteriorizados do que você.
 
Uma vez eu estava viajando com um monge Hindu muito famoso. E era engraçado ver que por toda sua vida, vinte e quatro horas, ele estava engajado em coisas não essenciais. Por exemplo, ele não comia nada, ele só bebia leite de vaca. E as pessoas o adoravam apenas por isso que não chega a ser uma façanha. Todo filhote de todo animal nasce fazendo isso. E o leite não pode ser de qualquer animal a não ser de vacas. O leite de búfalas não é aceito. Na verdade, este é mais rico. Tem mais vitalidade.
Mas a tradição Hindu nunca chamou o búfalo nem mesmo de titio. E a vaca tem que ser da cor absolutamente branca. Fiquei surpreso, pois isso é algo estranho. Qualquer outra cor, particularmente preta, até mesmo manchas negras na vaca branca não era aceito para o santo. Ele preferia jejuar que se comprometer, assim seus seguidores estavam sempre conduzindo quatro, cinco vacas absolutamente brancas, onde quer que ele fosse. Porque era muito difícil encontrar uma vaca completamente branca. Perguntei a ele: Qual é o problema? Que há de errado com a vaca marrom, com uma vaca escura? Ou com a vaca com muitas manchas de cores diferentes? Ele disse: A brancura é o símbolo da santidade. Eu disse: Meu Deus! A vaca tem que ser santa para você e até mesmo a mais negra das vacas lhe dará o leite mais branco. Você deveria olhar para o leite não para a vaca. Quem está lhe dizendo para beber leite escuro?
E ele era tão desconfiado com as pessoas e nesse país particularmente sobre o leite você não pode ter certeza. Você não pode ter certeza de nada. Mesmo sobre remédios, dos quais sua vida depende, você não pode ter certeza. E o doutor pode estar lhe dando apenas injeções de água colorida.
 
Milhares de pessoas morreram devido a que há tanta enganação em tudo. O rótulo está certo, mas você não tem como saber sobre o conteúdo. E quanto ao leite todo mundo sabe que as pessoas o misturam com água.
 
Quando eu era estudante, o homem que costumava trazer o leite para os estudantes no albergue, todos perguntavam a ele: Você mistura com água? E ele dizia: Posso fazer qualquer juramento. E o filho dele costumava carregar a jarra de leite junto e ele colocava a mão sobre a cabeça do filho e dizia: Este é meu filho. E juro que nunca em minha vida misturei água no leite.
Um dia chamei-o para dentro de meu quarto. Fechei a porta. Ele disse: Que você está fazendo?
Eu disse: Apenas um pouco de privacidade. E perguntei a ele: Não posso acreditar que o leite que bebo não esteja misturado com água. Como você consegue até mesmo jurar? 
Ele disse: É muito simples. Mas não conte a ninguém. Eu nunca misturo água no leite. Sempre misturo o leite na água. È uma coisa muito simples. Posso até jurar porque nunca fiz aquilo. Sempre misturo o leite na água. E isso ninguém está perguntando.
 
Esse monge Hindu era tão desconfiado que a vaca tinha que ser ordenhada na frente dele. Eu disse: Que tipo de progresso religioso, que tipo de conscientização você está alcançando com todas essa estupidez? Cinco vacas precisam ser levadas com você. Então você tem duas de pé quando elas estão sendo ordenhadas. Como se toda sua espiritualidade dependesse dessa estupidez.
Esse era apenas um exemplo. Ele era assim o tempo todo. Nenhuma mulher podia chegar perto dele mais do que nove pés. Seus discípulos ficavam medindo continuamente a distancia entre a mulher que tinha vindo ver o santo. Tinha que ser exatamente nove pés.
Eu disse: Que besteira é essa?
Ele disse: Você não entende. A mulher tem uma força magnética mas seu raio é de apenas nove pés.
Eu disse: De onde você tirou essa idéia?
Ele disse: Meu mestre. Ele pegou isso de seu próprio mestre. Isso é sussurrado em segredo de ouvido para ouvido, de geração a geração.
Eu disse: Estranho, você tem o suporte de alguma escritura?
Ele disse: Não. É uma tradição privada. As escrituras são públicas. Meu mestre não pode me enganar.
Naturalmente que o mestre dele não pode enganá-lo. E ninguém sabe quem foi o idiota que teve essa idéia. Quando ele ia a algum lugar, primeiro ele perguntava: Tem alguma mulher lá?
Ele não podia sentar-se num lugar onde uma mulher havia sentado até que nove minutos tenha passado. O mesmo raio. Nove pés de distancia, isso se vai no espaço de nove minutos de tempo. Após nove minutos ele podia sentar, mas não antes disso. 
Eu disse: Você está vivendo uma vida de fobias. Isso não é santidade. Você está vivendo em constante medo. Toda sua vida, dia e noite, não é outra coisa senão medo. E você se tornou tão fixado em coisas exteriores, insignificantes, que não vejo que você tenha algum tempo para o interior.
 
Todas as religiões se fixaram no exterior. Estou tentando abandonar tudo que é externo. Meu povo não tem uma disciplina externa. Eles não possuem nenhuma obsessão externa.
Todo a energia e esforço deles têm que estar direcionado para o interior. A vida é curta e tempo é precioso. Você não pode desperdiçá-lo com coisas desnecessárias. E você pode ver pessoas por toda parte desperdiçando tempo em coisas desnecessárias.
 
Um shankaracharya estava em Delhi e um pobre homem, um funcionário levantou-se na hora das questões e perguntou sobre o definitivo, o que é isso, como alcançá-lo. 
E o shankaracharya ficou furioso e olhou para ele. Ele estava usando uma farda, uma calça completa, uma camisa. O shankaracharya disse: Você tem a coragem de perguntar sobre o definitivo. E você está usando uma calça completa. Primeiro me responda. Você tem o yoga pavid, o fio Hindu dentro de sua camisa? E quando você urina, você urina de pé ou sentado?
E todos os idiotas que estavam lá reunidos e não acho que alguém mais vá lá. Eles riram. O pobre homem disse: Com uma calça completa é muito difícil se sentar e todas as urinas são feitas no escritório para que você possa urinar de pé.
Ele disse: Isso é contra a religião Hindu. Você já alguma vez ouviu algum vidente dos Vedas, urinando de pé? E quanto ao fio? Você o coloca no ouvido?
Ele disse: Na verdade, não tenho nenhum fio.
Ele disse: Isso é demais. Você vai sofrer no fogo do inferno, porque enquanto urina, se você não põe o fio em seu ouvido, então você fica vulnerável a todos os tipos de influências malignas. Esse é o momento quando o diabo entra nas pessoas.
 
Isso vem de um shankaracharya que é tido como líder da religião Hindu. Como se a preocupação da religião fosse urina, fio e proteger as pessoas do diabo. E Hindus vêm fazendo isso, mas não acho que eles estejam protegidos do diabo de maneira nenhuma. Eles são tão humanos como qualquer pessoa em qualquer outro lugar.
Quero que meu povo entenda isso claramente. Nem suas roupas, nem sua disciplina exterior nem qualquer coisa que tenha sido dado a vocês pela tradição e vocês aceitaram isso apenas na crença de que vai ajudar. A única coisa que pode criar uma revolução em vocês é ir alem da mente para o mundo da consciência. Exceto isso, nada é religioso. Mas para começar isso e num mundo que é por demais obcecado com as coisas exteriores, tive que iniciar o sannyas também com coisas exteriores. Troque suas roupas para o laranja, use um Mala, medite, mas a ênfase estava somente na meditação.
Contudo descobri que as pessoas podem trocar suas roupas muito facilmente mas não podem trocar suas mentes. Eles podem usar o Mala mas eles não podem se mover para suas consciências. E devido a que eles estão em trajes laranja, usando um Mala, tendo um novo nome, eles começam a acreditar que se tornaram sannyasins.
Sannyas não é tão barato. Agora é a hora e você já está bastante maduro que a fase inicial acabou. Se você gosta da cor laranja, da cor vermelha, está perfeitamente bem - não pode causar nenhum mal mas também não ajuda. Se você ama o Mala, se você ama a medalha com meu retrato, é simplesmente seu ornamento, mas não tem nada a ver com religião. Então agora eu reduzo a religião para sua essencialidade absoluta. E isso é meditação. Se você está meditando e se você está elevando-se cada vez mais alto para sua consciência, os pensamentos são deixados bem para trás. Você experiencia que seu corpo é exterior a você, que sua mente é exterior a você e você está no meio, o centro do ciclone, em completo silêncio, em absoluta beleza, em grande luz, em total realização.
 
Exceto o processo de meditação, tudo mais é não essencial.
Não quero que meu povo se perca no não essencial. No princípio isso era necessário. Agora após anos me escutando, compreendendo-me, você está numa posição de ser libertado de toda servidão exterior. E, somente se você estiver se movendo para o interior, você pode pela primeira vez, tornar-se realmente um sannyasin.
 
Osho,
The Last Testament Vol. 6, Chapter 12