Livro
- also available as eBook (English) Livro (English) Também conhecida como
Originalmente Publicado Como: Intimacy

Osho Livro: Intimidade (Portugal)

 

Availability: In stock

R$0,00
Compra de

Intimidade (Portugal)

Confiar em Si Próprio e no Outro
As relações de curta duração são cada vez mais comuns numa sociedade como a nossa, que pouco a pouco se vai afastando das suas raízes e da estrutura familiar tradicional e aceita cada vez mais abertamente o sexo livre.

Mas ao mesmo tempo vai surgindo a ideia de que nos falta alguma coisa. Falta-nos intimidade. Ser íntimo de alguém implica expor os nossos sentimentos e vulnerabilidades mais profundos, na esperança de que o outro os trate com carinho. A intimidade é um risco – um risco que só poderemos correr se tivermos força para confiar no outro. Neste livro, um guia sensível e cheio de compaixão, Osho conduz o leitor passo a passo pela via da intimidade, mostrando o que ela tem de assustador e ensinando o leitor a enfrentar esse temor, a ultrapassá-lo e a construir relações baseadas na abertura e na confiança.
 
 
Livro - Detalhes Capítulo Títulos
 
Editora Pergaminho Lda (Portugal)
14X21
176
9789727113026
    Prefácio
    #1: COMEÇAR PELO PRINCÍPIO: O ABC DA INTIMIDADE
    #2: Comece Onde Está
    #3: Seja Autêntico
    #4: Escute-se a Si Próprio
    #5: Confie em Si Próprio
    #6: INTIMIDADE COM OS OUTROS: OS PASSOS SEGUINTES
    #7: Seja Visto
    #8: Necessidade de Privacidade
    #9: Relacionar-se e Não Ter Relacionamentos
    #10: Corra o Risco de Ser Verdadeiro
    #11: Aprenda a Linguagem do Silêncio
    #12: QUATRO CILADAS
    #13: O Hábito da Reacção
    #14: Atolado em Segurança
    #15: As Sombras
    #16: Falsos Valores
    #17: FERRAMENTAS PARA A TRANSFORMAÇÃO
    #18: Aceite-se a Si Próprio
    #19: Permita-se Ser Vulnerável
    #20: Seja Egoísta
    #21: UMA TÉCNICA DE MEDITAÇÃO
    #22: NO CAMINHO DAINTIMIDADE-RESPOSTASAPERGUNTAS
    #23: Porque é que eu acho assustadoras as pessoas atraentes?
    #24: Porque é que me sinto envergonhado?
    #25: Sinto-me perdido quando me aproximo realmente das pessoas. Que devo fazer para ser eu próprio?
    #26: O que é dar e o que é receber?
    #27: Qual é a verdadeira resposta para viver em intimidade?
 
 
 
Extraído de: Prefácio
“Toda a gente tem medo da intimidade – ter ou não ter consciência desse medo é outra história. A intimidade significa expor-se perante um estranho – e todos nós somos estranhos; ninguém conhece ninguém. Somos mesmo estranhos a nós próprios, porque não sabemos quem somos.

A intimidade aproxima-o de um estranho. Tem de deixar cair todas as suas defesas; só assim a intimidade é possível. E o seu medo é que se deixar cair todas as suas defesas, todas as suas máscaras, quem sabe o que o estranho lhe poderá fazer. Todos nós andamos a esconder mil e uma cisas, não só dos outros mas de nós próprios, porque fomos criados por uma humanidade doente com toda a espécie de repressões, inibições e tabus. E o medo é que, com alguém que seja um estranho – e não importa se se viveu com a pessoa durante trinta ou quarenta anos; a estranheza nunca desaparece -, parece mais seguro manter uma ligeira defesa, uma pequena distância, porque alguém se poderá aproveitar das suas fraquezas, da sua fragilidade, da sua vulnerabilidade.

Toda a gente tem medo da intimidade. O problema torna-se mais complicado porque toda a gente que intimidade. Toda a gente quer intimidade porque, de outro modo, está sozinho neste Universo – sem um amigo, sem um amante, sem ninguém em quem confiar, sem ninguém a quem abrir todas as suas feridas. E as feridas não saram se não forem abertas. Quanto mais as esconde, mais perigosas elas se tornam. Podem ficar cancerosas.

Por um lado, a intimidade é uma necessidade básica, por isso toda a gente a deseja. Quer que a outra pessoa seja íntima, para que ela deixe cair as suas defesas, se torne vulnerável, abra todas as suas feridas, deixe cair todas as suas máscaras e falsa personalidade, fique despida tal como é. E, por outro lado, toda a gente tem medo da intimidade – quer ter intimidade com a outra pessoa, mas não deixa cair as suas defesas. E este é um dos conflitos que se levantam entre os amigos, entre os amantes: ninguém quer deixar cair as suas defesas e ninguém quer ficar em absoluta nudez e sinceridade, aberto – e ambos precisam de intimidade.

Se não deixar cair todas as suas repressões e inibições – que são a herança da sua religião, da sua cultura, da sua sociedade, dos seus pais, da sua educação – nunca conseguirá estabelecer intimidade com ninguém. E terá de ser você a tomar a iniciativa.

Mas se em si não houver quaisquer repressões, quaisquer inibições, então também não haverá nenhumas feridas. Se levou uma vida simples e natural, não existe o medo da intimidade, mas sim a enorme alegria de duas chamas que se aproximam tanto que se tornam praticamente uma só. E esse encontro proporciona contentamento, prazer e satisfação absolutos. Mas antes de poder fazer uma tentativa, terá de limpar a fundo a sua casa.

Só um homem de meditação pode permitir que a intimidade aconteça. Ele não tem nada a esconder. Ele próprio deixou cair tudo aquilo que o fazia ter medo de que alguém descobrisse. Ficou apenas com o silêncio e um coração afectuoso.” Osho
>>

On Coisas Essenciais para a Vida

 
 

Email this page to your friend